PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Doria anuncia parceria com laboratório chinês por potencial vacina contra Covid-19

11/06/2020 10h48

Por Maria Carolina Marcello e Luciano Costa

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quinta-feira acordo selado entre um centro de pesquisas estadual e o laboratório internacional Sinovac Biotech para a produção de uma potencial vacina contra o novo coronavírus.

Segundo o governador, o acordo prevê a realização de testes clínicos em 9 mil brasileiros a partir de julho. Caso a imunização se mostre eficaz, o acordo permitirá a transferência de tecnologia entre a farmacêutica e o Instituto Butantan para produção da vacina em grandes quantidades no Brasil e na China.

"Comprovada a eficácia e a segurança da vacina, o Instituto Butantan terá domínio da tecnologia e a vacina poderá ser produzida em larga escala no Brasil pelo próprio Butantan para fornecimento ao SUS até junho de 2021", disse Doria em coletiva de imprensa.

De acordo com o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, a CoronaVac, como já é chamada a vacina, foi testada em mil pessoas nas fases 1 e 2, na China, já concluídas.

A terceira fase de testes contará com 85 milhões de reais do Estado de São Paulo.

A tecnologia adotada pela farmacêutica chinesa, segundo ele, é semelhante à já utilizada pelo instituto na produção da vacina da dengue, a partir de fragmentos inativos do vírus.

"É uma das vacinas em desenvolvimento em estado mais avançado do mundo", defendeu.

Mais cedo, o governador de São Paulo havia publicado no Twitter aviso sobre o anúncio que faria logo depois, na coletiva.

"Vamos anunciar que São Paulo vai produzir a vacina contra o coronavírus", escreveu ele no Twitter.

"Um anúncio histórico, o acordo feito pelo Instituto Butantã com um laboratório chinês e a terceira fase de testes, que é a última fase, para a vacina contra o coronavírus", acrescentou o governador, em vídeo publicado na rede social.

O anúncio ocorre dias depois de a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informarem que o Brasil iniciará testes com uma potencial vacina que está em desenvolvimento pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

A autorização para os testes da vacina sendo avaliada em Oxford foi publicada pela Anvisa na terça-feira. Segundo a Unifesp, 2 mil pessoas participarão dos testes, que serão feitos também com apoio do Ministério da Saúde.

(Por Maria Carolina Marcello em Brasília e Luciano Costa em São Paulo)