PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Demanda por petróleo terá salto em 2021, mas seguirá abaixo de 2019, diz Opep

Trabalhador utiliza máscara de proteção em campo de petróleo em Basra, Iraque - Dado Ruvic
Trabalhador utiliza máscara de proteção em campo de petróleo em Basra, Iraque Imagem: Dado Ruvic

Dmitry Zhdannikov

Da Reuters, em Londres

14/07/2020 09h38

LONDRES (Reuters) - A demanda por petróleo deve ter um crescimento recorde de 7 milhões de barris por dia (bpd) em 2021, à medida que a economia global se recupera da pandemia de coronavírus, mas ainda seguirá abaixo dos níveis de 2019, disse a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em relatório mensal.

O relatório foi o primeiro em que a Opep fez uma avaliação sobre os mercados de petróleo no próximo ano. O grupo disse que a projeção não levou em conta a materialização de possíveis riscos relacionados a tensões comerciais entre Estados Unidos e China, excesso de dívidas ou uma segunda onda de infecções por coronavírus.

"(A previsão) presume que a Covid-19 será contida, especialmente nas principais economias, permitindo recuperação do consumo privado e investimento, apoiados por massivas medidas de estímulos adotadas por governos para combater a pandemia", afirmou a Opep.

Os preços do petróleo desabaram neste ano depois que a demanda global caiu em um terço devido a medidas de isolamento adotadas por governos para conter a disseminação do vírus.

A Opep disse que a demanda por petróleo em 2020 deve ter queda de 8,95 milhões de bpd, levemente abaixo da estimativa no relatório do mês passado.

Em 2021, o grupo espera que ganhos de eficiência e a adoção de trabalho remoto limitem o crescimento da demanda, que ainda ficaria abaixo dos níveis de 2019.

A Opep espera atender a maior parte do grande salto projetado na demanda em 2021 com seu petróleo. O grupo estimou que a demanda por sua produção deve crescer em 6 milhões de bpd, para 29,8 milhões de bpd.

Desde maio, os países da Opep e aliados liderados pela Rúsisa vêm cortando a produção em quase 10 milhões de bpd, ou um décimo da demanda global, para impulsionar os preços.

A produção em países de fora do grupo como Estados Unidos, Noruega e Canadá também tem caído, embora eles não façam parte do acordo para restrição de oferta.

A Opep disse esperar que a oferta de petróleo de países de fora do grupo em 2020 caia em 3,26 milhões de bpd em 2020, com alta de apenas 0,92 milhão de bpd em 2021.

Cotações