PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Cotações

Ministro das Finanças da Alemanha quer mais dívida para apoiar recuperação

Olaf Scholz afirmou que maior endividamento é necessário para sustentar o progresso alcançado - LEONHARD FOEGER
Olaf Scholz afirmou que maior endividamento é necessário para sustentar o progresso alcançado Imagem: LEONHARD FOEGER

07/09/2020 16h05

Por Michael Nienaber

BERLIM (Reuters) - A economia alemã está se recuperando do choque do coronavírus e chegará ao tamanho pré-crise no máximo até o começo de 2022, disse à Reuters o ministro das Finanças, Olaf Scholz, nesta segunda-feira, acrescentando que é necessário mais dívida para sustentar o progresso alcançado.

A pandemia de Covid-19 jogou a maior economia da Europa em sua mais profunda recessão já registrada para a primeira metade do ano. Berlim respondeu com uma série de medidas sem precedentes de resgate e estímulo, financiadas por novos empréstimos recordes de aproximadamente 218 bilhões de euros, para ajudar empresas e consumidores a saírem da crise.

"Vemos que a recuperação econômica está avançando. É um bom sinal", disse Scholz, em entrevista à Reuters, ao acrescentar que a economia pode retornar ao nível pré-crise antes de 2022, se a recuperação for apoiada da maneira correta.

Com isso, Scholz disse que planeja assumir novas dívidas em grande volume também no próximo ano para sustentar a recuperação.

Uma fonte próxima ao assunto disse à Reuters na semana passada que Scholz trabalhava com um orçamento para o próximo ano dentro do qual Berlim assumiria uma nova dívida de pelo menos 80 bilhões de euros para financiar mais medidas na luta contra o coronavírus.

"Também precisaremos de uma quantidade considerável de novos empréstimos no próximo ano para assegurar tudo que conquistamos", disse Scholz. Ele se recusou a dar um número exato.

Esse passo exigirá uma nova suspensão dos limites de dívida enraizados na constituição alemã, após Berlim já os ter abandonado este ano, embora Scholz esteja determinado a seguir as regras fiscais a partir de 2022.

"Nosso objetivo é que, a partir de 2022, estejamos em uma situação em que possamos buscar uma política orçamentária dentro dos parâmetros das regras normais da constituição", disse Scholz.

"Precisamente por isso é tão importante que façamos tudo que for possível este ano e no próximo para estabilizar a economia. Porque nossas receitas fiscais dependem disso".

Esses comentários sublinham a determinação de Scholz de afastar a Alemanha da sua imagem anterior de campeã da austeridade na Europa, cimentando o novo papel de Berlim como líder em gastos na zona do euro na luta pela recuperação da pandemia de Covid-19.

O ministério das Finanças planeja atualizar suas estimativas de receitas fiscais na próxima semana. Em seguida, Scholz fará a proposta de orçamento para o governo federal em 2021, que o ministério deve aprovar até 23 de setembro.

Cotações