PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

REUTERS NEXT-Brasil não está fazendo o suficiente para conter desmatamento ilegal, diz executivo da Natura

14/01/2021 15h49

Por Jake Spring

BRASÍLIA (Reuters) - O governo brasileiro precisa fazer mais para combater o aumento do desmatamento ilegal na floresta amazônica, que está prejudicando a reputação dos negócios do país, segundo o CEO para a América Latina da Natura & Co, João Paulo Ferreira.

A comunidade empresarial está tendo discussões positivas com o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que coordena as questões da Amazônia, disse Ferreira. Mas essas conversas ainda não estão se refletindo nas ações do governo, de acordo com o executivo.

"Por que os resultados não aparecem?", questionou Ferreira.

A Natura usa uma variedade de ingredientes da Amazônia em seus cosméticos, geralmente adquirindo-os através de comunidades indígenas locais ou outras comunidades tradicionais.

O desmatamento na Amazônia atingiu o nível mais alto em 12 anos em 2020, mostraram dados do governo, com uma área sete vezes o tamanho de Londres sendo desmatada.

Os defensores do meio ambiente culpam o presidente Jair Bolsonaro pela escalada na destruição. Bolsonaro defende que a Amazônia precisa ser desenvolvida para eliminar a pobreza, enquanto os ativistas dizem que ele incentiva a extração ilegal de madeira, mineração e pecuária.Ferreira afirmou que o governo está desmantelando mecanismos de proteção ambiental e desconsiderando fatos científicos, embora não tenha mencionado o nome de Bolsonaro.

Apesar de os negócios da Natura não terem sido afetados, a política do governo para a Amazônia está prejudicando as exportações brasileiras e fazendo com que alguns produtos sejam vendidos com desconto, disse Ferreira.

Para o executivo, interromper a destruição ilegal da Amazônia é responsabilidade do governo e "não negociável".

“Precisa cobrar uma ação nessa direção”, disse Ferreira.

Bolsonaro, Mourão, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e outras autoridades brasileiras dizem que o desenvolvimento econômico substituirá trabalhos ilegais por legais.

O governo enfatiza particularmente o crescimento da "bioeconomia", um termo para cosméticos, alimentos, medicamentos e outros produtos baseados nos ricos recursos biológicos da Amazônia.

Ferreira disse que a bioeconomia deve ser desenvolvida como uma solução, mas que leva muito tempo.

Se o Brasil quer resultados ambientais de curto prazo, a maior oportunidade é o mercado de "serviços ambientais" como a venda de compensações de carbono, disse ele.

Para mais conteúdo do Reuters Next acesse http://www.reuters.com/business/reuters-next

Para assistir ao Reuters Next ao vivo visite https://www.reutersevents.com/events/next/register.php