PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Bolsonaro reconhece inflação, mas culpa governadores e guerra na Ucrânia

Bolsonaro voltou a responsabilizar as políticas de restrição de circulação implantadas por governadores - Isac Nóbrega/Presidência da República
Bolsonaro voltou a responsabilizar as políticas de restrição de circulação implantadas por governadores Imagem: Isac Nóbrega/Presidência da República

Lisandra Paraguassu

Reuters, Brasília

22/03/2022 14h13

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu hoje, em meio a elogios ao próprio governo, problemas causados na economia pela alta no preço dos alimentos e também dos combustíveis, mas colocou a culpa nos governadores e na guerra na Ucrânia.

Bolsonaro voltou a responsabilizar as políticas de restrição de circulação implantadas por governadores especialmente em 2020 e em parte de 2021 pela alta dos preços dos alimentos.

Também responsabilizou a guerra provocada pela invasão da Rússia na Ucrânia pela alta dos combustíveis, que já vinham pressionados antes do conflito.

"Se Deus quiser, em breve voltaremos à normalidade", disse em discurso durante evento no Tocantins .

Bolsonaro estava em Xambioá, hoje no Tocantins, local onde os militares derrotaram a chamada guerrilha do Araguaia, durante a ditadura militar, numa operação que tem acusações de execuções de guerrilheiros rendidos.

Ao começar seu discurso, o presidente elogiou a atuação das Forças Armadas no caso, que é criticada internacionalmente por entidades de direitos humanos.

"Estou em uma cidade em que em 1973 marcou a luta do bem contra o mal. O bem venceu, derrotamos os comunistas", disse.

Em meio a uma disputa eleitoral em que aparece bem atrás de seu principal rival, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro tem tentado reeditar uma suposta "ameaça comunista" e, frequentemente, classifica as eleições de outubro como uma luta "do bem contra o mal".