PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Dólar oscila sem direção clara ante real com foco em dados da China e fiscal doméstico

18/04/2022 09h18

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar oscilava sem direção clara contra o real nesta segunda-feira, de olho na estabilidade da moeda norte-americana no exterior em volta da Páscoa marcada por dados da China, enquanto o foco local ficava nas perspectivas fiscais do Brasil.

Às 10:10 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,20%, a 4,6871 reais na venda. A moeda oscilou entre 4,7098 (+0,28%) e 4,6764 reais (-0,43%) ao longo das primeiras negociações. Agentes do mercado chamavam a atenção para a possibilidade de instabilidade nos mercados internacionais de câmbio no dia, com a liquidez reduzida por feriado na Europa.

Na B3, às 10:10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,33%, a 4,7020 reais.

A movimentação no mercado doméstico não diferia muito do desempenho do dólar no exterior, onde rondava a estabilidade ante uma cesta de pares de países ricos. Contra divisas emergentes, a moeda norte-americana tinha desempenho misto, subindo ligeiramente contra rand sul-africano e peso chileno, mas perdendo terreno frente ao peso mexicano.

Investidores digeriam nesta manhã dados sobre o crescimento econômico da China, que, mesmo tendo superado as expectativas no acumulado do primeiro trimestre, perdeu fôlego em março, sublinhando os desafios enfrentados pelo país em meio a surtos locais de Covid-19 e a ambiente geopolítico arisco.

"Não obstante a surpresa positiva, os números não alteram as perspectivas de desaceleração da segunda maior economia do mundo, uma vez que indicadores antecedentes já apontam para uma piora da atividade além de março e, portanto, o governo deve seguir em frente com seus planos de estímulo econômico", disse em nota Victor Beyruti.

Expectativas de mais apoio na China tendem a ajudar moedas latino-americanas, já que a região tem fortes laços comerciais com o país asiático e se beneficiaria de um ambiente de maior liquidez e crescimento por lá. No entanto, os investidores não estavam tão otimistas sobre a possibilidade de novos estímulos do governo chinês, já que um corte de compulsório promovido na semana passada pelo banco central do país foi visto como conservador.

No Brasil, o mercado aguardava a coletiva sobre o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023, prevista para começar às 11h (horário de Brasília) desta segunda-feira, depois de ter sido inicialmente agendada para quinta passada. O governo propôs uma meta fiscal de déficit de 65,9 bilhões de reais para 2023, projetando ainda que as contas do governo central só voltarão ao azul em 2025.

A pauta fiscal voltou a preocupar investidores nos últimos dias, depois da decisão do governo de conceder um reajuste linear de 5% a todo o funcionalismo federal a partir de julho. A medida, anunciada apesar de aperto nas contas públicas, não foi bem recebida por representantes sindicais, que alegaram ser um benefício insuficiente e prometeram manter mobilizações de servidores para pressionar o Executivo a aumentar os salários.

No Banco Central, a greve de funcionários tem afetado a divulgação de vários indicadores importantes, como o boletim semanal Focus, o que também tem preocupado participantes do mercado.

Nesta segunda-feira, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, participa por videoconferência de São Paulo de um painel promovido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, participará presencialmente de encontro promovido pelo FMI e o Banco Mundial nos Estados Unidos.

A moeda norte-americana spot fechou a última sessão, na quinta-feira, em alta de 0,18%, a 4,6966 reais na venda.