PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Santander quer fechar capital da Getnet, propõe prêmio de 29,3% a acionistas

A Getnet, empresa de pagamentos controlada pelo espanhol Santander, pode fechar o capital, segundo fato relevante divulgado ontem - Matthew Horwood / Getty Images
A Getnet, empresa de pagamentos controlada pelo espanhol Santander, pode fechar o capital, segundo fato relevante divulgado ontem Imagem: Matthew Horwood / Getty Images

Andre Romani

20/05/2022 10h08Atualizada em 20/05/2022 10h34

A Getnet, empresa de pagamentos controlada pelo espanhol Santander, pode fechar o capital, segundo fato relevante divulgado na quinta-feira à noite, apenas sete meses após estrear na bolsa.

A Getnet, uma controlada direta da PagoNxt Merchant Solutions, subsidiária integral do Santander, disse que seu acionista controlador pretende adquirir a totalidade dos papéis em circulação no mercado e cancelar o registro de companhia aberta da empresa de pagamentos.

A medida valeria tanto para as ações e units listados no Brasil, quanto para os ADSs (American Depositary Shares) negociados na bolsa norte-americana Nasdaq. A companhia não detalheu no comunicado as motivações da operação.

A Getnet foi listada em bolsa em outubro do ano passado, com um valor de mercado próximo a 7,3 bilhões de reais.

O preço a ser ofertado na aquisição dos papéis é de 2,36 reais por ação ordinária ou preferencial e 4,72 reais por unit (um ativo formado por ações ON e PN), o que representaria prêmio de 29,3% em relação ao fechamento das units na última quinta-feira, a 3,65 reais.

O preço ofertado não inclui potenciais dividendos, juros sobre capital próprio, bonificações, desdobramentos, grupamentos ou conversões que possam ocorrer até a operação ser efetuada, disse a Getnet.

Para os depósitos de ações listados nos EUA, o valor a ser ofertado é o equivalente a duas units por cada, ajustado pelo câmbio.

A efetiva realização do fechamento de capital depende de condições incluindo a aprovação de acionistas, afirmou a Getnet.

A unit da empresa, ativo que chegou a fazer parte do Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira, acumula queda de 33,7% desde sua estreia na B3.