PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem; contração econômica no 1º tri é confirmada

26/05/2022 09h48

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu na semana passada, consistente com um mercado de trabalho que permanece apertado em meio a uma forte demanda por trabalhadores, apesar do aumento da taxa de juros e do aperto das condições financeiras

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego diminuíram em 8.000, para 210.000 na semana encerrada em 21 de maio, disse o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. O declínio desfez parcialmente parte do aumento da semana anterior, que havia levado as reivindicações ao seu nível mais alto desde janeiro.

Economistas entrevistados pela Reuters haviam previsto 215.000 pedidos para a última semana.

Alguns atribuíram o recente aumento dos pedidos a fatores sazonais menos generosos em maio, o modelo que o governo usa para retirar as flutuações sazonais dos dados, em relação aos dois meses anteriores.

Outros, entretanto, acreditam que alguns varejistas estavam dispensando trabalhadores. Vários varejistas, incluindo o Walmart Inc, cortaram na semana passada suas previsões de lucro para o ano todo, advertindo que a inflação estava espremendo os lucros.

O Federal Reserve aumentou sua taxa de juros em 0,75 ponto percentual desde março. A expectativa é de que o banco central dos EUA aumente os juros em 0,5 ponto percentual em cada uma de suas próximas reuniões em junho e julho. Isso levou a uma forte venda no mercado de ações e a um aumento nos rendimentos dos Treasuries e do dólar.

Mas com um recorde de 11,5 milhões de vagas abertas no final de março, as demissões provavelmente serão mínimas e as pessoas que perdem o emprego podem facilmente encontrar outro. As reivindicações caíram de um recorde histórico de 6,137 milhões no início de abril de 2020.

A ata da reunião do Fed de 3 e 4 de maio publicada na quarta-feira mostrou que as autoridades comentaram que "a demanda de mão de obra continuou a superar a oferta disponível em muitos setores da economia e que seus contatos empresariais continuaram a relatar dificuldades na contratação e retenção de trabalhadores". Muitos esperavam que o mercado de trabalho permaneça apertado e que as pressões salariais permaneçam elevadas por algum tempo.

Salários mais altos, apesar de estarem atrás da inflação, estão ajudando os consumidores a continuar gastando e sustentando a economia.

Em relatório separado nesta quinta-feira, o Departamento de Comércio confirmou a contração da economia no primeiro trimestre sob o peso de um déficit comercial recorde e de um ritmo ligeiramente mais lento de acúmulo de estoques em comparação com o quarto trimestre

O Produto Interno Bruto caiu a uma taxa anualizada de 1,5% no último trimestre, disse o governo em sua segunda estimativa do PIB. O resultado foi revisado para baixo em relação ao ritmo de queda de 1,4% relatado em abril. A economia cresceu a um ritmo robusto de 6,9% no quarto trimestre.

(Reportagem de Lucia Mutikani)