PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Governo confirma indicação de Caio de Andrade à presidência da Petrobras

Caio Mario Paes de Andrade - Marcelo Casal Jr/Agência Brasil
Caio Mario Paes de Andrade Imagem: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Nayara Figueiredo e Roberto Samora

Da Reuters

09/06/2022 21h06Atualizada em 10/06/2022 09h05

O Ministério de Minas e Energia confirmou o nome de Caio Mario Paes de Andrade como indicado ao cargo de presidente da Petrobras. O governo apresentou nesta quinta-feira (9) a indicação de executivos para compor o Conselho de Administração da Petrobras, tendo Gileno Gurjão Barreto como presidente do colegiado, e Andrade à frente da companhia. Barreto é presidente da Serpro, empresa pública que atua no desenvolvimento de soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação para o governo federal.

O governo ainda indicou outros oito nomes para o conselho, sendo que José João Abdala Filho, Marcelo Gasparino da Silva, Ruy Flaks Schneider e Márcio Andrade Weber já pertencem ao colegiado atual, que será renovado diante da determinação do presidente Jair Bolsonaro (PL) para trocar o presidente da Petrobras em meio ao descontentamento com a política de combustíveis da empresa.

Desses quatro que já estão no conselho, dois haviam sido indicados anteriormente pelos acionistas minoritários (Abdala Filho e Gasparino).

O movimento acontece após indicações de que o governo gostaria de emplacar até oito conselheiros na nova gestão, versus seis no colegiado atual. Ao todo, são 11 membros, incluindo um representante dos trabalhadores.

A partir das indicações, os nomes serão analisados por órgãos técnicos, inclusive o Comitê de Pessoas, Elegibilidade, Sucessão e Remuneração (Celeg).

Só depois da aprovação dos nomes a empresa deverá convocar assembleia de acionistas para escolher os conselheiros.

A petroleira afirmou anteriormente que as suas assembleias gerais, inclusive aquelas para eleger conselheiros, estão sujeitas ao prazo mínimo de 30 dias entre a convocação e a realização.

Tal processo vem sendo considerado lento pelo governo, que tem pressa para mudar o CEO e os conselheiros, diante da escalada dos preços internacionais do petróleo.

O executivo indicado para a presidência do conselho é formado em Direito pela Uniceub, pós-graduado e mestrando em Direito Tributário Internacional, possui MBA em Administração de Empresas pela FGV-SP.

Os demais membros indicados são Ricardo Soriano de Alencar, Edison Antonio Costa Britto Garcia, Jonathas Assunção Salvador Nery de Castro, Ieda Aparecida de Moura Gagni.