PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Secretária do Tesouro dos EUA diz que Rússia não têm lugar na reunião do G20

Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA, disse que autoridades russas não têm lugar em reunião do G20 - Getty Images
Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA, disse que autoridades russas não têm lugar em reunião do G20 Imagem: Getty Images

Andrea Shalal

14/07/2022 08h35Atualizada em 14/07/2022 08h49

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, disse nesta quinta-feira que a guerra do presidente russo, Vladimir Putin, contra a Ucrânia está causando um efeito negativo em todo o mundo e que autoridades russas não têm lugar na reunião do G20 desta semana.

Falando em entrevista coletiva durante reunião do G20 de autoridades financeiras, Yellen pediu à comunidade global que responsabilize a Rússia pela guerra e seu impacto dramático nos preços da energia e no aumento da insegurança alimentar.

Yellen se esquivou de uma pergunta sobre se ela sairia da reunião quando as autoridades russas falassem, como ela e outros líderes ocidentais fizeram durante o último encontro desse tipo em Washington, em abril, mas disse que condenará a invasão da Ucrânia pela Rússia "nos termos mais fortes possíveis".

Yellen disse que continuará a pressionar fortemente por um teto no preço do petróleo russo, que, segundo ela, ajudaria a reduzir os preços de energia e manter os fluxos globais de petróleo depois que sanções europeias e potencialmente britânicas e norte-americanas sobre o transporte de petróleo russo entrarem em vigor, no final deste ano.

Não adotar tais medidas isolaria uma quantidade significativa de petróleo russo, o que elevaria os preços globais da commodity, disse ela, acrescentando sua esperança de que a China e a Índia vejam que é de seu interesse participar.

Yellen também criticou a China por suas "táticas não comerciais" e por não participar dos esforços de reestruturação da dívida para países de baixa renda, e disse que o combate à inflação "inaceitavelmente alta" é uma das principais prioridades do governo Biden, expressando apoio às medidas do banco central dos EUA para aumentar os juros de forma controlar a alta dos preços.