PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Mineradoras da Austrália estão cautelosas com plano da China de centralizar compras

21/07/2022 08h23

Por Praveen Menon e Siyi Liu

SYDNEY/PEQUIM (Reuters) - O plano da China de centralizar as compras de minério de ferro levantou dúvidas se a medida poderia atingir os resultados de gigantes da mineração global, como a australiana Rio Tinto e o Grupo BHP.

Exposta aos preços internacionais da matéria-prima siderúrgica, por ser grande importadora para atender sua demanda, a China lançou uma nova empresa estatal para o setor na terça-feira.

O China Mineral Resources Group, com capital registrado de 20 bilhões de iuanes (3 bilhões de dólares), está encarregado de investir em mineração de minerais, bem como atuar no comércio e compras, segundo o Tianyancha, um banco de dados online chinês de informações empresariais.

Gigantes globais da mineração, como Rio, BHP e Fortescue Metals Group, se recusaram a comentar os planos, mas disseram que não houve mudança em suas relações com os clientes chineses.

A Fortescue fornece minério de ferro para clientes sob contratos de longo prazo, disse a presidente-executiva Elizabeth Gaines.

"Continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com nossos clientes e outras partes interessadas importantes na China para... otimizar nossos canais de distribuição para atender às necessidades de nossos clientes de longa data e da indústria siderúrgica chinesa", disse Gaines.

A China respondeu por 90% da receita da Fortescue no ano financeiro de 2021.

A nova empresa chinesa deve coordenar a aquisição de minério de ferro importado, desenvolver recursos domésticos de minério de ferro e supervisionar o desenvolvimento de minas no exterior, segundo informações do banco de dados.

A chinesa Caixin também disse este mês que o órgão centralizaria a demanda de minério de ferro.

No entanto, a história mostrou que planos de compras centralizadas de minério de ferro não funcionaram, disse a BHP, a terceira maior produtora de minério de ferro do mundo, que vende a maior parte de sua produção à China.

"No final das contas, acreditamos que os mercados decidirão onde o preço precisa ser baseado na oferta e na demanda", disse o diretor financeiro David Lamont em um fórum de negócios em Melbourne.

A BHP liderou os esforços há mais de uma década para encerrar as negociações anuais de definição de preços do minério de ferro, em uma mudança para preços de mercado.

A anglo-australiana Rio Tinto se recusou a comentar.

Ainda assim, uma abordagem centralizada das compras parece ter mais sucesso agora do que há duas décadas, disse o analista de commodities do Commonwealth Bank, Vivek Dhar.

"Isso se deve em grande parte à recente consolidação entre os produtores de aço estatais da China", acrescentou.

O impacto das compras centralizadas nas principais mineradoras depende do objetivo final da agência, disse Glyn Lawcock, chefe de pesquisa de mineração da Barrenjoey.

"Os comentários dos últimos anos indicam claramente que a China não está satisfeita com os preços do minério de ferro acima de 100 dólares a tonelada", disse Lawcock.

(Por Praveen Menon)