PUBLICIDADE
IPCA
0,67 Jun.2022
Topo

Ucrânia buscará empréstimo de até 20 bilhões de dólares com o FMI

Símbolo do Fundo Monetário Internacional (FMI) - REUTERS/Johannes P. Christo
Símbolo do Fundo Monetário Internacional (FMI) Imagem: REUTERS/Johannes P. Christo

27/07/2022 09h58

A Ucrânia quer fechar acordo para um programa de empréstimo de 15 bilhões a 20 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional (FMI) antes do final do ano para ajudar a sustentar sua economia devastada pela guerra, disse à Reuters o presidente do banco central do país, Kyrylo Shevchenko.

Com a invasão da Rússia iniciada em 24 de fevereiro, a Ucrânia enfrenta uma contração econômica de 35% a 45% em 2022, um déficit fiscal mensal de 5 bilhões de dólares e depende fortemente de financiamento estrangeiro de seus parceiros ocidentais.

Shevchenko, falando durante sua visita a Londres, também disse que espera chegar a um acordo sobre uma linha de swap com o Banco da Inglaterra "dentro de semanas", embora não tenha especificado o valor.

Kiev já apresentou seu pedido ao FMI, disse o presidente, e agora está em consulta com o fundo sobre o novo financiamento que espera receber de até 20 bilhões de dólares, em dois ou três anos.

Foi a primeira vez que a Ucrânia fixou um número para o novo financiamento que precisa do credor em Washington.

Um programa de 20 bilhões de dólares será o segundo maior empréstimo atualmente ativo do FMI, depois do auxílio à Argentina.

"O FMI sempre atuou como parceiro da Ucrânia durante a guerra", disse Shevchenko a Reuters. "Minha esperança é começar o programa este ano."

O presidente do banco central disse que um novo programa deve fornecer medidas que ajudarão a estabilizar a economia. Isso pode garantir um retorno às condições pré-guerra, como uma taxa de câmbio flexível, ausência de limite no mercado de câmbio, redução de empréstimos inadimplentes no setor bancário e uma política fiscal equilibrada.

O último empréstimo do FMI à Ucrânia foi um apoio financeiro emergencial de 1,4 bilhão de dólares concedido em março - o equivalente a 50% da cota do país no fundo.