PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Crise na Argentina: ministra cita 'ajuste' de gastos, mas não confirma cortes

Silvina Batakis é anunciada como nova ministra da Economia da Argentina - Reprodução/Twitter
Silvina Batakis é anunciada como nova ministra da Economia da Argentina Imagem: Reprodução/Twitter

Walter Bianchi

27/07/2022 07h31

A nova ministra da economia da Argentina disse a uma reunião de investidores nos Estados Unidos na terça-feira que iniciou um ajuste nos gastos do governo apoiado por todas as facções do partido no poder, disse um participante à Reuters.

A ministra da Economia, Silvina Batakis, há menos de um mês no cargo, reuniu-se com investidores em Washington um dia depois de se encontrar com credores internacionais e autoridades econômica dos Estados Unidos, com o objetivo de acalmar as preocupações sobre as perspectivas de curto prazo para a terceira maior economia da América Latina.

Embora seja improvável que uma ministra da Economia que procura tranquilizar os investidores fale em aumento de gastos, o relato da reunião de terça-feira não confirmou que ela havia se referido a um ajuste para baixo.

A Argentina está lutando com uma inflação crescente, obrigações de dívida e uma moeda que na semana passada enfraqueceu para novas mínimas recordes em relação ao dólar.

O participante, Javier Timerman, sócio gerente da Adcap Grupo Financiero, disse que Batakis enfatizou que as facções de esquerda e centro-esquerda da coalizão governante estão todas de acordo com a implementação do ajuste de gastos.

"Batakis foi muito aberta", disse Timerman. "Ela disse que quer reconstruir o relacionamento com Wall Street. Ela reconheceu que o relacionamento antes não era bom, e mostrou estar aberta a ouvir a opinião dos fundos (de investimento)."

Ele não forneceu mais detalhes sobre o compromisso de Batakis.

O Ministério da Economia não respondeu imediatamente a um pedido de comentários.

A reunião de investidores na qual Batakis falou contou com a participação de representantes de fundos de investimento internacionais, assim como de líderes do setor bancário dos EUA.