IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Dólar à vista tem alta firme ante o real sob influência do exterior

24/02/2023 17h17

Por Fabrício de Castro

SÃO PAULO, 24 Fev (Reuters) - Em sintonia com o exterior, o dólar à vista fechou com alta firme ante o real nesta sexta-feira, após novos dados de inflação nos Estados Unidos reforçarem as apostas nos mercados de que os juros norte-americanos subirão ainda mais.

A perspectiva de juros mais elevados nos EUA deu força ao dólar em todo o mundo e penalizou divisas de maior risco, como o real brasileiro.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1988 reais, em alta de 1,22%. Na semana --mais curta em função do período de Carnaval--, a moeda norte-americana acumulou elevação de 0,69%.

Na B3, às 17:39 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,15%, a 5,2045 reais.

Após ceder 0,67% na sessão de quinta-feira, o dólar abriu a sexta-feira já no terreno positivo no Brasil, com os mercados à espera dos dados de inflação dos EUA.

Às 10h30, o Departamento do Comércio informou que o índice de preços de despesas de consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) dos EUA subiu 0,6% em janeiro, após alta de 0,2% em dezembro, resultado acima do esperado por analistas.

Com os números, cresceram as apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) elevará os juros pelo menos mais três vezes em 2023. Em reação, os investidores reduziram ainda mais as posições em ativos de risco – como ações e moedas de países emergentes.

Às 17:39 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- subia 0,61%, a 105,210.

Influenciado pelo exterior, o dólar iniciou a tarde com ganhos superiores a 1% ante o real.

“Desde o início da semana havia a perspectiva de que os juros poderiam ficar mais altos, por mais tempo, nos EUA, após a divulgação de dados de produção. Na quinta-feira, tivemos uma leitura mais tranquila do PIB norte-americano, mas nesta sexta o PCE já mostrou uma inflação acima do esperado”, resumiu o operador de câmbio Vítor Costa, da H. Commcor DTVM.

Para Felipe Novaes, chefe da mesa de operações do C6 Bank, o processo de convergência da inflação norte-americana para perto de 2% será mais lento, “não permitindo o início do ciclo de redução dos juros americanos antes de meados de 2024”.

A perspectiva de alta para os juros dos EUA fez o dólar chegar a ser cotado a 5,2101 reais às 15h09, na máxima do dia (+1,44%). Na reta final da sessão, porém, a moeda americana perdeu um pouco da força, encerrando abaixo dos 5,20 reais.

“Os juros estão fortes nos EUA, mas o Brasil tem atualmente as taxas reais (descontada a inflação) mais elevadas do mundo. Isso acaba limitando também o valor do dólar ante o real. Nas atuais condições, é improvável o dólar superar os 5,30 reais”, afirmou Fernando Bergallo, diretor da assessoria de câmbio FB Capital.

Profissionais do mercado afirmaram ainda que o noticiário doméstico na semana teve menos influência nas cotações, inclusive nesta sexta-feira.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional, na operação de rolagem dos compromissos de abril.