IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Hapvida tem queda de 56% no lucro líquido ajustado no 4° tri

28/02/2023 21h26

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - A Hapvida registrou queda de 56,1% no lucro líquido ajustado no quarto trimestre de 2022 ante mesmo período do ano anterior, em meio a maiores despesas e taxa de sinistralidade, informou a empresa de saúde nesta terça-feira.

A companhia teve lucro líquido ajustado de 161,4 milhões de reais. Sem ajustes por amortização de marcas e patentes e carteiras de clientes, bem como relacionados a incentivos de longo prazo a executivos, a empresa teve prejuízo de 316,7 milhões de reais, revertendo lucro de 200,2 milhões de reais um ano antes.

Analistas projetavam, em média, prejuízo de 235,5 milhões de reais. Não estava imediatamente claro se os dados eram comparáveis com as projeções.

O desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu 52% de outubro a dezembro contra igual período do ano anterior, para 598,7 milhões de reais. Analistas, em média, esperavam Ebitda de 627,3 milhões de reais.

A Hapvida, que vem acumulando aquisições nos últimos anos, comprou a grande rival Intermédica no início do ano passado e vem integrando suas operações desde então, com analistas de olho no impacto do negócio nas linhas de despesas. A ação acumula queda de 11,6% neste ano, após diversos bancos assumirem perspectivas mais negativas para a companhia.

A sinistralidade caixa do grupo foi de 72,9% no trimestre, uma melhora de 0,1 ponto percentual ante o trimestre imediatamente anterior e uma piora de 8,1 pontos na base anual. A Hapvida afirmou no relatório de resultados que o indicador segue impactado por "maiores frequências de utilização, sazonalidade desfavorável, além de patamares mais altos de sinistralidade nas empresas recém-adquiridas".

A receita líquida da Hapvida cresceu 150,2% em 12 meses, para 6,5 bilhões de reais, impactada em especial pela aquisição da Intermédica. "Individualmente, as receitas crescem mesmo com o impacto do reajuste negativo dos planos individuais, estimados em 18,0 milhões de reais para a Hapvida e em 11,7 milhões de reais para a NotreDame (Intermédica)", afirmou a empresa.

O grupo registrou saltos de 83,5% e 139,1%, respectivamente, nas despesas administrativas e de vendas, para 537,1 milhões de reais e 523,9 milhões de reais.