IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Presidente do JPMorgan diz que crise bancária nos EUA não acabou

04/04/2023 08h52

Por Tatiana Bautzer

NOVA YORK (Reuters) - A crise bancária nos Estados Unidos está em andamento e terá efeitos nos próximos anos, escreveu o presidente-executivo do JPMorgan Chase & Co, Jamie Dimon, em uma carta aos acionistas enviadas nesta terça-feira.

“A crise atual ainda não acabou e, mesmo quando estiver para trás, haverá repercussões nos próximos anos”, escreveu Dimon em uma mensagem anual de 43 páginas cobrindo uma variedade de tópicos, desde o desempenho do JPMorgan até geopolítica e regulamentação.

Nuvens de tempestade ainda ameaçam a economia como faziam há um ano, disse Dimon, presidente-executivo do maior banco dos Estados Unidos. E o sistema bancário está sob estresse renovado após o fracasso do Silicon Valley Bank do resgate do Credit Suisse pelo UBS no mês passado.

"As chances de uma recessão no mercado aumentaram", escreveu Dimon. "E embora isso não seja nada parecido com 2008, não está claro quando esta crise atual terminará. Ela provocou muito nervosismo no mercado e claramente causará algum aperto nas condições financeiras à medida que os bancos e outras instituições financeiras se tornarem mais conservadoras."

Mesmo assim, não está claro se a crise vai reduzir os gastos do consumidor que impulsionam a economia dos EUA, escreveu Dimon.

Os riscos que levaram à crise atual estavam "escondidos à vista de todos", escreveu Dimon, citando a exposição à taxa de juros e o nível de depósitos não garantidos no Silicon Valley Bank.

Mas ele minimizou as semelhanças com a crise financeira global de 2008. Embora o crash daquela época tenha atingido grandes bancos, financiadores imobiliários e seguradoras com interconexões globais, "a atual crise bancária envolve muito menos atores financeiros e menos questões que precisam ser resolvidas", disse Dimon.

Depois de assumir o comando do JPMorgan em 2006, Dimon presidiu as aquisições do banco de investimentos Bear Stearns e do Washington Mutual, o banco de poupança e empréstimo cujo fracasso foi o maior da história dos Estados Unidos.

À medida que a crise atual se desenrolava, Dimon novamente desempenhou um papel central, ajudando a providenciar um salva-vidas de 30 bilhões de dólares para o First Republic Bank de 11 grandes bancos.

JPMorgan, Bank of America, Citigroup e Wells Fargo comprometeram 5 bilhões de dólares cada, seguidos por Morgan Stanley e Goldman Sachs, com 2,5 bilhões cada.

Quaisquer novos regulamentos em resposta à última turbulência devem ser "considerados", incluindo regras mais claras para lidar com bancos falidos, escreveu Dimon. "Testes erráticos de estresse e incerteza constante sobre regulamentações futuras prejudicam o sistema bancário sem torná-lo mais seguro."

Dimon também mirou em empresas financeiras não bancárias, que se tornaram cada vez mais competitivas com os bancos no fornecimento de hipotecas, cartões de crédito e criação de mercado.

"As instituições não bancárias que fornecem crédito seriam capazes de fornecer crédito quando seus clientes mais precisarem?" perguntou Dimon. "Pessoalmente, duvido que muitos deles possam."