IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Campos Neto diz que inflação no Brasil caiu, mas pressões permanecem e há deterioração de expectativas

Presidente do Banco Central disse ainda que as expectativas de inflação de longo prazo estavam ancoradas em 2022, mas iniciou-se um processo de deterioração. - Marcos Corrêa/PR
Presidente do Banco Central disse ainda que as expectativas de inflação de longo prazo estavam ancoradas em 2022, mas iniciou-se um processo de deterioração. Imagem: Marcos Corrêa/PR

Bernardo Caram

Em Brasília

12/04/2023 09h59

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira que a inflação no Brasil caiu, mas pressões permanecem em meio a um componente de demanda "relativamente forte".

Em apresentação divulgada pela autarquia, usada em reunião fechada com investidores organizada pela XP em Washington, Campos Neto disse ainda que as expectativas de inflação de longo prazo estavam ancoradas em 2022, mas desde novembro passado iniciou-se um processo de deterioração.

O boletim Focus, que capta as projeções de mercado para indicadores econômicos, mostra que as expectativas de inflação seguem piorando, inclusive em horizontes mais longos. A mediana das estimativas para o IPCA em 2024 passou de 4,02% há um mês para 4,14% nesta semana. Para 2025, o dado passou de 3,80% para 4%.

Em meio ao aperto monetário para controlar a inflação, o presidente do BC disse que dados sugerem um arrefecimento do mercado de trabalho. Campos Neto destacou que há desaceleração em novas operações de crédito, com mudança na composição dos empréstimos para categorias de alto custo, elevando índices de inadimplência.

O presidente do Banco Central afirmou que entre novembro do ano passado e janeiro deste ano o mercado vinha prevendo novos aumentos na taxa Selic, mas essa visão mudou a partir de fevereiro, com expectativa de corte da taxa básica em um horizonte de seis meses.

Atualmente, a Selic está em 13,75% ao ano, nível mais alto desde o início de 2017.