IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Chefe do BC do Japão quer inflação "bastante forte" antes de ajustar política de controle de rendimento

24/04/2023 09h59

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do Banco do Japão (BOJ), Kazuo Ueda, disse na segunda-feira que as previsões de inflação do banco central devem ser "bastante fortes e próximas de 2%" no próximo ano para considerar ajustes no controle da curva de juros.

"Atualmente, a tendência da inflação está abaixo de 2%, então devemos manter a flexibilização monetária", disse Ueda ao Parlamento. "Mas quando a tendência da inflação é projetada para atingir 2%, o BOJ deve normalizar a política monetária", acrescentou.

Os comentários de Ueda vêm antes de uma reunião de política do banco central japonês de dois dias que começa na quinta-feira, na qual o conselho produzirá novas previsões trimestrais de crescimento e inflação.

Fontes disseram à Reuters que o BOJ provavelmente manterá sua política monetária ultrafrouxa na primeira revisão de taxa a ser presidida por Ueda, que assumiu o cargo em abril.

Embora as empresas estejam repassando o aumento dos custos de importação aos consumidores mais do que o esperado, a inflação do Japão deve atingir o pico em breve e desacelerar abaixo da meta de 2% do BOJ na segunda metade do atual ano fiscal que termina em março de 2024, disse ele.

"As previsões do BOJ de inflação tendencial para metade do ano, um ano e um ano e meio à frente devem ser bastante fortes e próximas de 2%. Também precisamos julgar que a probabilidade de as previsões se concretizarem é alta", disse Ueda, quando questionado por um parlamentar da oposição para esclarecer as condições para ajustar o controle da curva de juros.

Sob controle da curva de rendimento (YCC), o Banco do Japão orienta as taxas de juros de curto prazo em -0,1% e o rendimento dos títulos de 10 anos em torno de zero com um limite implícito de 0,5%.

Ueda se recusou a especificar como o BOJ poderá eliminar gradualmente o YCC, dizendo que isso dependerá da economia, do ritmo da inflação e de muitos outros fatores no momento.

"No momento, não posso dizer como isso pode ser feito", disse ele sobre a estratégia de saída do mecanismo.

Mas Ueda disse que considerará a ideia de divulgar com antecedência a estratégia de saída do BOJ da política ultrafrouxa, quando chegar o momento certo.

Como se desfazer dos enormes estoques de fundos, acumulados pelo BOJ em sua forte estratégia de compra de ativos para impulsionar a inflação, estará entre os principais desafios que o banco debaterá quando considerar encerrar a política monetária frouxa, disse Ueda.