IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Dólar sobe ante real puxado pelo exterior em dia de Campos Neto no Senado

25/04/2023 17h07

Por Fabrício de Castro

SÃO PAULO, 25 Abr (Reuters) - Após duas sessões em queda, o dólar à vista subiu nesta terça-feira ante o real, influenciado pelo pessimismo dos investidores no exterior, onde a moeda norte-americana também avançava ante outras divisas, e com o mercado atento a declarações do presidente do Banco Central no Senado.

A divulgação de alguns balanços corporativos ruins e de dados econômicos fracos nos EUA deu o tom dos negócios, com investidores buscando ativos mais seguros, como o dólar, em detrimento de outras moedas.

No Brasil, os participantes do mercado também acompanharam com atenção as declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Para alguns analistas, a pressão dos parlamentares para que o BC corte juros acabou ajudando a sustentar o dólar.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,0638 reais na venda, em alta de 0,47%.

Na B3, às 17:12 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,54%, a 5,0675 reais.

Nos EUA, o setor bancário era um dos destaques negativos. O First Republic –uma das instituições envolvidas na turbulência bancária mais recente– relatou fuga de mais de 100 bilhões de dólares em depósitos no primeiro trimestre e viu suas ações desabarem. Papéis de outros bancos regionais também eram penalizados.

Além disso, o Conference Board dos EUA informou que seu índice de confiança do consumidor caiu para 101,3 em abril, de 104,0 em março. Economistas consultados pela Reuters esperavam que o indicador permanecesse em 104,0.

“As ações de bancos estão caindo muito lá fora. O cenário está ruim e isso nos contamina também”, comentou Fernando Bergallo, diretor da assessoria de câmbio FB Capital. “A alta global do dólar é pelo receio com uma recessão nos EUA”, acrescentou.

No Brasil, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado que cortar juros “na canetada” geraria mais inflação no Brasil, impulsionando o dólar. Além disso, afirmou que há um “trabalho grande” a se fazer para reverter as expectativas de inflação.

Para o economista-chefe da Órama, Alexandre Espirito Santo, a pressão para que o BC reduza os juros gera ruídos no mercado e contribui para que o dólar à vista se mantenha em alta ante o real.

Um operador ouvido pela Reuters ponderou que, embora as declarações de Campos Neto ao Senado sejam repetitivas, o mercado inevitavelmente quer ouvi-lo sobre inflação, juros e câmbio. Em alguns momentos do dia, isso deixou os negócios mais engessados que o habitual.

No exterior, o dólar seguia em alta ante outras divisas neste fim de tarde.

Às 17:12 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- subia 0,58%, a 101,840.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de junho.