IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Minério de ferro sobe em Cingapura, mas cai em Dalian por causa da demanda na China

26/04/2023 08h28

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro apresentaram comportamentos mistos nesta quarta-feira, com os preços na bolsa de Cingapura se recuperando modestamente, enquanto a referência em Dalian ampliou as perdas depois que um grupo da indústria siderúrgica da China pediu aos produtores que reduzissem a produção para se preservarem.

Os preços do aço na China caíram em meio a um ritmo decepcionante de recuperação da demanda, colocando desafios para a indústria, de acordo com a China Iron and Steel Association (CISA), que pediu aos produtores que cortem a produção para ajudar a garantir um fluxo de caixa estável.

Mais de 30 siderúrgicas já haviam emitido planos para manutenção até terça-feira, de acordo com a consultoria do setor e provedora de dados Mysteel.

A referência do minério de ferro para maio na Bolsa de Cingapura subiu 1,2%, para 103,65 dólares a tonelada. No entanto, o contrato caiu mais de 20% frente ao pico de 132 dólares registrado em 15 de março.

Em contraste, o contrato de setembro mais negociado do ingrediente siderúrgico na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações diurnas com queda de 0,4%, a 716,50 iuanes (103,52 dólares) a tonelada. Mais cedo na sessão, atingiu 698 iuanes, a menor cotação desde 8 de dezembro.

Mesmo que o apetite chinês por produtos siderúrgicos melhore no final deste ano, o minério de ferro permanecerá fraco "por um longo tempo" por causa da política do governo de reduzir a produção, disseram analistas da Huatai Futures em nota.

A China está considerando limitar sua produção de aço este ano, de acordo com analistas e notícias recentes não confirmadas, estendendo uma política de dois anos que visa reduzir as emissões do maior produtor de aço do mundo.

A produção de aço bruto da China no primeiro trimestre aumentou 6,1% em relação ao ano anterior, para 261,56 milhões de toneladas, mostraram dados oficiais, enquanto o consumo aparente de aço cresceu 1,9%, para 243,42 milhões de toneladas, segundo a CISA.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)