Gol tem prejuízo líquido de R$395 mi em abril e anuncia novo CFO

Por Patricia Vilas Boas

(Reuters) - A Gol informou nesta sexta-feira que registrou prejuízo líquido de 395 milhões de reais em abril, em meio a conversas de sua controladora com a rival Azul sobre "eventuais oportunidades" e a um recente acordo de codeshare.

A receita líquida da empresa, que está em recuperação judicial nos Estados Unidos, somou 1,34 bilhão de reais no mês passado, enquanto a dívida liquida chegou a 23,3 bilhões de reais no período.

Os números fazem parte do relatório operacional mensal da companhia, encaminhado ao tribunal de falências dos EUA, conforme exigido durante o processo de recuperação judicial da empresa.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de 135 milhões de reais em abril, com margem Ebitda de 10%, conforme fato relevante.

A Gol não divulgou a leitura de março, já que o registro coincidiu com a publicação do seu balanço do primeiro trimestre, quando apurou prejuízo líquido de 130,2 milhões de reais, em desempenho afetado principalmente por despesas financeiras.

Em paralelo, a empresa anunciou que foi aprovada, em reunião do conselho de administração, a eleição de Eduardo Guardiano Leme Gotilla como CFO da companhia, em substituição a Mario Tsuwei Liao, que apresentou pedido de renúncia.

Gotilla, que é ex-diretor financeiro da Light, começará a atuar no cargo a partir de 3 de junho, segundo fato relevante.

A companhia aérea entrou com pedido de recuperação judicial na Justiça norte-americana, processo conhecido como Chapter 11, em janeiro deste ano e desde então sua situação econômica tem estado sob forte escrutínio.

Continua após a publicidade

A empresa lançou mais cedo esta semana seu plano financeiro de cinco anos, visando sair da recuperação judicial e melhorar seus resultados, que envolve um aumento de capital de 1,5 bilhão de dólares e refinanciamentos de 2 bilhões de dólares em dívida.

Além disso, a concorrente Azul informou que tem mantido conversas independentes com a Abra, holding controladora da Gol, para "explorar eventuais oportunidades", embora ainda não haja qualquer acordo definido.

A Gol e a Azul são, respectivamente, a segunda e a terceira maiores companhias aéreas do Brasil em receita por passageiro por quilômetro, uma medida de tráfego. Cada uma tem cerca de 30% de participação no mercado doméstico, atrás dos 40% da Latam, segundo dados da Anac. Ambas firmaram recentemente um acordo de "codeshare" que engloba mais de 150 destinos.

(Reportagem de Patricia Vilas Boas, em São Paulo)

Deixe seu comentário

Só para assinantes