PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Ricos continuaram acumulando dinheiro durante a pandemia, diz Oxfam

25 homens mais ricos do mundo registraram um aumento de R$ 1,3 trilhão em seus patrimônios, segundo a Oxfam - Siriwat Nakha/EyeEm/Getty Images
25 homens mais ricos do mundo registraram um aumento de R$ 1,3 trilhão em seus patrimônios, segundo a Oxfam Imagem: Siriwat Nakha/EyeEm/Getty Images

10/09/2020 15h58

De acordo com um documento divulgado pela ONG Oxfam hoje, a crise gerada pelo novo coronavírus mergulhou a economia global em uma recessão histórica - mas, paradoxalmente, diversas multinacionais e seus acionistas continuaram enriquecendo.

Segundo a ONG, 32 empresas, entre elas Microsoft, Intel, Apple, Walmart, Facebook, Google, Nestlé e o grupo farmacêutico Roche, devem lucrar este ano US$ 109 bilhões (cerca de R$ 578 milhões) a mais do que os resultados médios obtidos pelas companhias nos últimos quatro anos.

Paralelamente, os 25 bilionários mais ricos do mundo registraram um aumento no patrimônio, entre março e maio, estimado em US$ 255 bilhões (por volta de R$ 1,3 trilhão). Como exemplo, a Oxfam cita Jeff Bezos, dono da Amazon, cujas ações na bolsa subiram cerca de 76% desde janeiro.

O ganho de Bezos neste período, cuja fortuna é estimada em US$ 204 bilhões pela revista Forbes, equivaleria a distribuir um "prêmio" de US$ 105 mil aos 876 mil assalariados da empresa no mundo, segundo a Oxfam.

Limitar os ganhos

Em vários países, entre eles a França, os governos estimulam as empresas a adotar um comportamento diferente. Em seu discurso do 14 de julho, dia da festa nacional francesa, o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu às empresas uma "moderação dos dividendos".

Isso seria sensato, disse o chefe de estado francês, principalmente depois das empresas terem utilizado ajudas disponibilizadas pelo governo, que pagou 84% dos salários dos empregados colocados em desemprego técnico durante a primeira onda da pandemia.

Para Quentin Parrinello, porta-voz da Oxfam na França, citado em um comunicado, "as ajudas públicas podem reforçar ainda mais a influência dos acionistas nas escolhas estratégicas das empresas, aumentar a desconexão com a economia real e atrasar a transição ecológica".