Bolsas

Câmbio

Dólar tem mínima em dois meses ante real com cena externa

O dólar segue em firme queda nesta quarta-feira, operando nos menores patamares desde 10 de novembro, dois dias depois da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos.

A queda das taxas dos títulos do Tesouro americano, que colabora para reduzir os juros reais de longo prazo nos EUA, está por trás do enfraquecimento do dólar, que é global. Segundo o Federal Reserve (Fed, banco central americano), o juro real recuou de 0,86% em 30 de dezembro para 0,82% ontem. Juros reais menores nos EUA tornam mais atrativos ativos emergentes, especialmente aqueles com elevado carrego, caso do real.

A retração do dólar ocorre apenas um dia depois de a moeda ter alcançado máximas em 14 anos frente a uma cesta de divisas, conforme os mercados começam a ponderar a implementação das medidas reflacionárias de Trump, que poderiam levar o Fed a subir mais os juros.

No Brasil, a expectativa de mais fluxos derivados de operações de aquisições, por empresas estrangeiras, de participação em empresas brasileiras e oriundos também de captações tem influência relevante sobre a cotação. O Valor reportou ontem que projeções mais otimistas indicam US$ 25 bilhões em captações neste ano, 25% a mais que em 2016.

Às 10h43, o dólar comercial recuava 0,75%, a R$ 3,2371. Na mínima, registrou R$ 3,2309, menor patamar desde 10 de novembro (R$ 3,2102).

No mercado futuro, o dólar para fevereiro cedia 0,79%, a R$ 3,2630.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos