PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Real desafia exterior e sobe com expectativa de fluxo

18/10/2017 19h08

O dólar teve apenas leve queda frente ao real nesta quarta-feira, mas suficiente para manter o desempenho melhor da divisa brasileira em relação a seus pares emergentes.


No fechamento das operações interbancárias, o dólar caiu 0,12%, a R$ 3,1649.


Enquanto o real se fortaleceu, uma cesta com nove divisas emergentes caía 0,18%, em média, ante o dólar. Com isso, o real volta a diminuir a distância na comparação com seus pares.


Na segunda-feira, a diferença entre a variação acumulada em 2017 do real frente ao dólar e a oscilação de uma cesta de nove moedas emergentes (também ante o dólar) era de -1,41 ponto percentual. Enquanto o real subia naquele dia 2,48% em 2017, a cesta de divisas emergentes ganhava 3,88%.


Nesta quarta-feira, o real melhorou seu desempenho no ano para alta de 2,71%, enquanto a cesta de moedas emergentes reduziu a alta acumulada em 2017 para 3,53%. Ou seja, a "desvantagem" do real caiu para -0,82 ponto percentual.


A expectativa de fluxos tem sido o principal argumento para a melhor performance da moeda doméstica. Além das concessões na área de energia ocorridas no fim de setembro, que garantiram ao governo cerca de R$ 16 bilhões, novos leilões devem acontecer ainda neste mês (pré-sal) e em dezembro (energia nova).


A aparente calma do lado político também colabora para a estabilidade do câmbio. Apesar dos ruídos dos últimos dias, há ampla perpsectiva de que o presidente Temer obtenha apoio da Câmara dos Deputados para impedir que a denúncia da PGR contra ele siga para o Supremo Tribunal Federal (STF). Isso sinalizaria capacidade do governo de negociar com os parlamentares, o que para o mercado é tido como indicativo de que o debate sobre a reforma da Previdência deverá ser retomado em breve.