PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Nariz do avião tem radar meteorológico, localizador e itens de segurança

Radome (nariz) aberto de um Abirbus A330 - Divulgação/KLM
Radome (nariz) aberto de um Abirbus A330 Imagem: Divulgação/KLM

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/03/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Nariz do avião tem o nome oficial de radome e serve de proteção a equipamentos complexos
  • Principal sistema é o radar meteorológico, que permite visualizar turbulências à frente
  • Radome é feito de materiais compostos e deve ser leve e resistente
  • Há também outros equipamentos que auxiliam na navegação do avião

Conhecida como nariz do avião, a parte frontal da fuselagem esconde sistemas complexos por trás de uma proteção feita de materiais compostos como kevlar e fibra de carbono. Trata-se de uma peça que deve ser leve e resistente, impermeável e ao mesmo tempo permitir a propagação de ondas eletromagnéticas.

O nome oficial dessa peça é radome, o que já dá os primeiros indícios de sua função. O termo radome vem da junção de radar e dome (cúpula ou abóboda). É que o principal equipamento que fica dentro do radome é o justamente o radar meteorológico.

Para não interferir no funcionamento dos equipamentos que estão dentro do radome, a peça é feita de material preparado para bloquear influências climáticas externas. O radar meteorológico é o principal equipamento, mas há outras antenas.

  • Radar meteorológico: mede o tamanho das gotículas de água no ar, permitindo que a aeronave detecte condições climáticas desagradáveis pela frente. Os pilotos podem usar essas informações para evitar precipitações e turbulências que estejam na rota. Além de melhorar o conforto dos passageiros, isso é importante também para a segurança do voo.
  • Sistema de aviso de proximidade no solo (GPWS): alerta os pilotos se a aeronave estiver voando muito perto do chão ou se houver um obstáculo nas proximidades. Ele examina o terreno abaixo da aeronave para que os pilotos sempre saibam distância em relação ao chão. Se a aeronave estiver descendo muito rápido, eles ouvirão o comando "pull up" e o piloto precisará levantar o nariz da aeronave o mais rápido possível para ganhar altitude.
  • Localizador: trabalha com a antena do "glide slope" e os sinais do diretor de voo ("flight director"). Esse conjunto serve para orientar o piloto sobre a rampa ideal de descida, para evitar que o avião faça uma aproximação muito alta ou muito baixa.

Como é o primeiro ponto de contato do avião com o ar, o radome também está sujeito a sofrer sérios danos. Quando a aeronave passa por uma tempestade com granizo, é comum ver o nariz do avião completamente destruído. Isso acontece porque, apesar de resistente, ele ainda é mais frágil que o restante da fuselagem.

Para garantir o perfeito funcionamentos dos equipamentos, o radome é inspecionado constantemente em solo. Os testes dos radares, no entanto, não podem ser feitos nos hangares. Por emitir uma forte radiação, esses testes só podem ser feitos em locais específicos do aeroporto.

Outra curiosidade são as diversas linhas presentes no nariz do avião. Elas servem para desviar a eletricidade causada por um raio até a cauda do avião, onde ela é dispersada.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Airbus Beluga XL: avião conhecido como "baleia voadora" começa a operar

UOL Economia

Todos a Bordo