PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Avião agrícola que dispara míssil: veja aeronaves civis que viram militares

Air Tractor AT-802U é a versão militarizada de um avião agrícola - Divulgação/Air Tractor
Air Tractor AT-802U é a versão militarizada de um avião agrícola Imagem: Divulgação/Air Tractor

Por Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/08/2021 04h00

A maioria dos aviões foi desenvolvida para uso civil no decorrer das décadas. Entretanto, alguns desses modelos acabaram sendo aproveitados para uso militar.

Seja em missões mais tranquilas, como reconhecimento, até mesmo para situações de combate, os fabricantes encontraram caminhos para converter aeronaves de tempos de paz em máquinas de guerra.

Com isso, além de serem aproveitados modelos já consolidados e confiáveis, o tempo de desenvolvimento e de testes cai significativamente, tendo em vista que não é preciso elaborar o avião do zero. Adaptar essas máquinas também gera economia, tendo em vista que grande parte das peças pode ser encontrada com mais facilidade no mercado, uma vez que essas aeronaves militarizadas derivam de modelos comerciais.

Veja a seguir alguns aviões comerciais que foram convertidos para uso militar:

Electra II -- P-3 Orion

Electra II - Divulgação/Arpingstone - Divulgação/Arpingstone
Um Lockheed Martin L-188CF Electra II da Atlantic Airlines, em 2004
Imagem: Divulgação/Arpingstone

O avião comercial L-188, o Electra II, foi um sucesso na ponte aérea Rio-São Paulo entre as décadas de 1970 e 1990. Com capacidade para até 100 passageiros (dependendo da configuração escolhida pelo operador), ele continua voando até os dias atuais com sua variante militar, o P-3 Orion.

Derivado da versão comercial do L-188, o Orion realiza patrulhamento marítimo. No Brasil, a FAB (Força Aérea Brasileira) opera a variante P-3 AM Orion, responsável por vigiar o litoral brasileiro e integrar a chamada guerra antissubmarino.

Orion - Cabo Silva Lopes/Força Aérea Brasileira - Cabo Silva Lopes/Força Aérea Brasileira
P-3AM Orion utilizado pela FAB para realizar operações de patrulha
Imagem: Cabo Silva Lopes/Força Aérea Brasileira

Esses aviões militarizados transportam um profissional chamado operador acústico, responsável por escutar embarcações que estejam embaixo d'água. Por meio de sondas que são lançadas no mar, ele consegue identificar a localização e o tipo de submarino ou barco apenas pelo som que ele emite, além de escutar animais como camarões, golfinhos e baleias.

Boeing 737 -- P-8 Poseidon

737 NG - Divulgação - Divulgação
Boeing 737 Next-Generation, modelo que serve de base para o P-8 Poseidon
Imagem: Divulgação

O Boeing 737, um dos jatos comerciais mais vendidos do mundo, também tem uma adaptação para operação militar. Sua estrutura deu origem ao P-8 Poseidon, desenvolvido para a Marinha dos Estados Unidos.

Ele também é utilizado para patrulha marítima, como o P-3 Orion, e sua velocidade pode chegar a 907 km/h. Em seu interior, é possível levar sete tripulantes responsáveis pela missão de monitoramento e ataque, além de dois pilotos.

Poseidon - Darrin Zammit/ Reuters - Darrin Zammit/ Reuters
O P-8 Poseidon pode voar a baixas altitudes e conta com mais de cem unidades em serviço
Imagem: Darrin Zammit/ Reuters

Boeing 707 -- E-3 Sentry

707 - Reprodução - Reprodução
O Boeing 707, que serviu de modelo para o E-3 Sentry, teve sua produção encerrada na década de 1970
Imagem: Reprodução

O antecessor do famoso 737, o Boeing 707 Tinha capacidade para até 166 passageiros, e foi um dos favoritos à sua época. A sua versão militar foi batizada de E-3 Sentry, um modelo de Sistema Aéreo de Alerta e Controle, da sigla em inglês AWAC.

E-3 Sentry - Boeing - Boeing
Disco acima da fuselagem do E-3 Sentry comporta um radar para identificar aeronaves
Imagem: Boeing

Na parte de cima da fuselagem foi instalado um domo com um radar giratório que tem a finalidade de identificar outras aeronaves a uma distância de até 322 quilômetros. Sua operação teve início em 1977, e a fabricação foi encerrada em 1992, com a introdução de outros modelos no mercado.

Embraer ERJ 145 -- E-99

ERJ 145 - Divulgação/Embraer - Divulgação/Embraer
ERJ 145 nasceu para o transporte de passageiros e foi militarizado
Imagem: Divulgação/Embraer

O ERJ 145, da Embraer, é um avião comercial com capacidade para até 50 passageiros, e teve seu voo inicial em 1995, um ano após a privatização da empresa. Seu nome se refere à sigla Embraer Regional Jetliners (Jatos Regionais Embraer, em tradução livre).

E-99 - Enilton Kirchhof/FAB - Enilton Kirchhof/FAB
Aeronave radar E-99 com capacidade autônoma de vigilância e controle
Imagem: Enilton Kirchhof/FAB

A FAB opera tanto uma versão de transporte de passageiros quanto uma de patrulha, com a denominação E-99. Na parte de cima de sua fuselagem, o avião militarizado têm uma antena de radar, e este modelo consegue voar a uma altitude de até 9.144 metros.

Air Tractor 802A -- AT-802U

Air Tractor - Divulgação/Air Tractor - Divulgação/Air Tractor
Air Tractor AT-802A é um avião voltado para o uso na agricultura
Imagem: Divulgação/Air Tractor

Considerado o maior avião agrícola do mundo, o Air Tractor AT-802A também ganhou uma versão militar. No modelo civil, a aeronave é dedicada à pulverização de lavouras, e tem capacidade de transportar até 4.195 kg, ou 3.028 litros de materiais a serem dispersados em voo.

Seu irmão militar, o AT-802U é uma aeronave que pode cumprir diversas missões, e ainda comporta a capacidade de atacar alvos. Sua velocidade máxima é de 394 km/h, e ele pode carregar metralhadora e mísseis, bem diferente da função do modelo civil que o originou.

Air Tractor - Divulgação/Air Tractor - Divulgação/Air Tractor
Air Tractor AT-802U é o irmão militarizado do AT-802U, com capacidade de ataque
Imagem: Divulgação/Air Tractor

PUBLICIDADE