PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Itapemirim pode voltar a voar como fez a Webjet, que também parou um tempo?

Avião da Itapemirim no aeroporto de Brasília (DF) após voo inaugural - Alexandre Saconi/29.jun.2021
Avião da Itapemirim no aeroporto de Brasília (DF) após voo inaugural Imagem: Alexandre Saconi/29.jun.2021

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Carlos

07/01/2022 04h00

Após ter seus voos suspensos no dia 17 de dezembro, a Itapemirim Transportes Aéreos prometeu voltar a voar em breve. Embora a empresa não tenha dado um prazo concreto, especialistas do setor veem algumas dificuldades para que isso ocorra.

Essa promessa de retornar aos ares lembra o que ocorreu com a Webjet em 2006. A empresa havia iniciado seus voos em julho de 2005, mas funcionou tão pouco quanto a Itapemirim. Deixou de voar já no final daquele ano, voltando a operar regularmente apenas após a sua venda, no início de 2006.

À época, a empresa mudou de dono e continuou voando por mais alguns anos até ser absorvida pela Gol, processo que foi concluído em 2012. O que a Itapemirim deverá fazer para, assim como a Webjet, conseguir voltar a voar?

Situação da Itapemirim é mais difícil

Diferente da Webjet, o Grupo Itapemirim, que controla a companhia aérea, enfrenta um processo de recuperação judicial do grupo, o que sempre assombrou a nova empresa.

Segundo Antonio José e Silva, presidente da Comissão de Direito Aeronáutico, Espacial e Aeroportuário do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), esse assunto impacta na imagem da companhia.

"A recuperação judicial do Grupo Itapemirim desde a criação da Ita Transportes Aéreos sempre foi um grande obstáculo. Isso sempre era trazido para discussão, assustava os credores e criava uma insegurança nos funcionários", afirma Silva. A Webjet, por sua vez, não passou por essa situação.

O advogado também afirma que, "apesar da interrupção das operações da Webjet, houve uma coesão operacional e administrativa à época em prol do seu retorno, algo que a gente não observa hoje na Itapemirim".

Essa coesão, segundo Silva, foi alicerçada pelo grupo investidor da antiga empresa, que sempre sinalizou pela manutenção do negócio, seja nos anúncios internos, seja no tratamento com o mercado.

webjet - Getty Images - Getty Images
Boeing 737-700 da Webjet no aeroporto de Salvador em foto de 2012
Imagem: Getty Images

Receita para a retomada

Com isso, segundo Silva, a retomada da Itapemirim Transportes Aéreos está condicionada a alguns pontos:

  • Coesão administrativa e operacional
  • Manutenção técnica das aeronaves
  • Possibilidade de ingresso de algum grupo conhecedor do segmento no Brasil na companhia

Quanto a esse último ponto, ele pode ser concretizado com a entrada de investidores que tenham o conhecimento necessário no setor para que a empresa funcione adequadamente no futuro, diz Silva.

"A necessidade é que investidores ou eventualmente um novo adquirente sejam sólidos no setor aeronáutico. O setor não permite essa questão de tentativa e erro", afirma o advogado.

Recuperar a confiança

Marcos Fava Neves, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP (Universidade de São Paulo) em Ribeirão Preto (SP), não acredita que a venda da empresa seja a saída mais viável, como ocorreu com a Webjet.

"Não acho que a marca tenha muito valor [para sua compra ser cobiçada], pois não mostrou a que veio. É um momento propício para a retomada dos voos e aquecimento desse mercado, o que favorece quem está entrando nele e quem está retomando as operações", diz Navas.

Embora ainda seja cedo para definir os impactos da variante Ômicron do coronavírus na aviação, é fato que o Brasil vem aumentando a quantidade de voos realizados mês a mês, mostrando uma retomada.

Em dezembro, as empresas nacionais atingiram 84,7% do total de decolagens que eram realizadas antes da pandemia, segundo dados da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).

Isso justificaria o cenário de aquecimento do mercado descrito por Neves.

Para o professor, a empresa precisa ficar atenta a três eixos para retomar suas operações:

  • Buscar excelência operacional
  • Situação financeira: ela precisa ter caixa para poder operar sem financiar, parcelar compras etc. Também precisa de aporte de capital para fazer as operações necessárias no momento
  • Recuperar a confiança do consumidor e do mercado (o mais difícil): "Ela pode até voltar a operar, mas será difícil o consumidor que ficou na mão esquecer o que passou", diz Navas.
PUBLICIDADE