PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Empresa brasileira assina acordo para produzir drone que lança mísseis

Drone Nauru 1000C, da brasileira XMobots, equipado com mísseis Enforcer - XMobots
Drone Nauru 1000C, da brasileira XMobots, equipado com mísseis Enforcer Imagem: XMobots

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/06/2022 04h00Atualizada em 05/06/2022 08h29

Os drones têm ganhado espaço nos cenários de guerra mundo afora tanto para vigilância dos territórios quanto para o ataque. Geralmente com o preço menor que aeronaves de ataque, eles se tornaram alternativas para diminuir os custos em combate.

Segundo levantamento do centro de estudos New America (Estados Unidos), existem 39 países com drones com capacidade bélica, ou seja, armados com explosivos, mísseis ou outros dispositivos de ataque.

Embora não faça parte dessa lista, em breve o Brasil deverá ter seu próprio drone armado. A XMobots, empresa fabricante de drones localizada em São Carlos, no interior de São Paulo, assinou um memorando de entendimento com a fabricante de armamentos europeia MBDA para produzir uma versão militar da aeronave para o disparo de mísseis.

Mísseis do tipo Enforcer equiparão o drone Nauru 1000C, o mesmo que a empresa já fornece para o Exército brasileiro para missões de reconhecimento, vigilância e transporte de produtos leves. Ele possui 7,7 metros de envergadura (distância de ponta a ponta da asa), 2,9 metros de comprimento e um metro de altura.

A capacidade de carga do Nauru 1000C é de até 18 kg, sendo que cada míssil Enforcer pesa cerca de 7 kg e é capaz de destruir veículos com blindagens leves. O drone atinge uma velocidade de até 112 km/h, e pode ficar no ar por até 10 horas antes de precisar parar para ser reabastecido, voando a até 60 km de sua base de controle.

Conheça outros modelos de drones militares com poder de ataque:

S-70 Okhotnik

S-70 - Russian Defense Ministry - Russian Defense Ministry
Drone militar Sukhoi S-70 Okhotnik após o primeiro exercício conjunto com um Sukhoi Su-57, na Rússia
Imagem: Russian Defense Ministry

O drone S-70 Okhotnik (caçador, em português) é uma das promessas do governo russo nessa nova modalidade de ataque aéreo e deve começar a ser produzido em série em 2023. Ele foi desenvolvido para ser o mínimo possível detectável para os radares, permitindo que ele faça missões espiãs ou apenas seja visto quando estiver muito próximo ao seu alvo.

O S-70 tem um peso máximo de decolagem (incluindo avião, combustível, carga e armamentos) de até 20 toneladas, e pode atingir uma velocidade de até 1.000 km/h, mais do que grande parte dos aviões comerciais, segundo o fabricante.

Sua envergadura atinge 20 metros, podendo voar a até 6.000 km de distância. A fabricante russa Sukhoi não fornece mais detalhes sobre o modelo.

MQ-9 Reaper

MQ-9 Reaper - Força Aérea dos EUA - Força Aérea dos EUA
MQ-9 Reaper antes de missão no Afeganistão
Imagem: Força Aérea dos EUA

Um dos principais drones dos Estados Unidos na atualidade, o MQ-9 Reaper (ceifador, em português) é vendido em kits que custam cerca de US$ 65,1 milhões (R$ 312,7 milhões), contendo quatro aeronaves, uma estação de controle no solo e um sistema de conectividade via satélite.

Cada um desses drones é controlado remotamente por um piloto e um operador dos sensores, que fazem o mapeamento do solo em busca de pontos de interesse e eventuais alvos. Ele atinge uma velocidade de 444 km/h, podendo voar a até 2.600 km de distância, aproximadamente. Vazio ele pesa 2,2 toneladas, podendo decolar com um peso de até 5,3 toneladas, incluindo combustível e armamentos.

O Reaper tem envergadura de 20,1 metros, 11 metros de comprimento e 3,8 metros de altura, podendo ser equipado com diversos tipos de míssel.

Bayraktar TB2

Bayraktar - Divulgação/Baykar - Divulgação/Baykar
Drone Bayraktar TB2 de origem turca e que está a serviço das forças armadas da Ucrânia
Imagem: Divulgação/Baykar

Destaque na Guerra na Ucrânia, os drones Bayraktar TB2 são mais um dos modelos desse tipo de aeronave com capacidade bélica. Ele foi desenvolvido para o exército turco. A Ucrânia tem utilizado o TB2 com frequência contra alvos russos.

Ele pode ser armado com bombas e mísseis ar-terra a laser e voa a até 7,6 km de altitude. O TB2 tem capacidade para ficar no ar por até 27 horas, e pode carregar até 150 kg.

Sua envergadura é de 12 metros, com um comprimento de 6,5 metros e 2,2 metros de altura, atingindo até 222 km/h. O Bayraktar TB2 tem capacidade para voar a até 300 km de distância de sua base de operação.

nEUROn

nEUROn - Dassault Aviation - Dassault Aviation
Drone de ataque nEUROn, da francesa Dassault
Imagem: Dassault Aviation

Desenvolvido pela francesa Dassault, o nEUROn é um drone furtivo de combate, ou seja, que promete ser invisível aos radares. Para dificultar sua detecção por sistemas inimigos, ele transporta os armamentos, como mísseis e bombas, em seu interior, abrindo o compartimento apenas na hora do ataque, momento em que fica vulnerável para ser observado.

Isso evita que as ondas de detecção dos radares identifiquem o nEUROn, fazendo com que ele chegue mais próximo ao seu objetivo sem ser percebido. Ele tem 10 metros de comprimento, 12,5 metros de envergadura, e pode decolar com um peso total de até sete toneladas, ficando no ar por até três horas.