IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Avião 'fantasma' voou sozinho com 121 a bordo até cair na Grécia

Boeing 737 da Helios Airways que caiu na Grécia em 2005 - Wikimedia
Boeing 737 da Helios Airways que caiu na Grécia em 2005 Imagem: Wikimedia

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/01/2023 12h14

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido

Esta é a versão online da newsletter Todos a Bordo enviada hoje (11). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

Em 2005, um Boeing 737 da companhia aérea cipriota Helios caía nos arredores de Atenas, capital do país.

Isso aconteceu após ele voar por cerca de três horas sem nenhum comando até o combustível acabar e ele cair.

Ao todo, morreram 121 pessoas na queda, sendo 115 passageiros e seis tripulantes na queda.

O motivo foi um problema de pressurização, que ocasionou a perda de consciência dos pilotos por falta de oxigênio, fazendo o avião voar por quase três horas de maneira 'fantasma', ou seja, sem ninguém no comando.

O início do voo

  • Às 9h07 do dia 14 de agosto de 2005, o voo 522 da Helios Airways decolava do aeroporto internacional de Lárnaca, em Chipre
  • O destino era Praga, capital na República Tcheca, com escala em Atenas, capital grega
  • O voo tinha duração programada de 1 hora e 23 minutos
  • Enquanto ganhava altitude, alarmes soaram na cabine de comando, indicando que algo estava errado
  • O primeiro deles soou quando o avião passou dos 3 km de altitude
  • Ultrapassando os 4,3 km de altitude, um novo alarme soou e as máscaras de oxigênio foram liberadas na cabine de passageiros, indicando problemas na pressurização
  • Piloto e copiloto entraram em contato com a central de manutenção da companhia aérea para tentar resolver o problema
  • A equipe em solo indicou uma solução temporária para desativar o sistema de alarme
  • O piloto se levantou do assento para desligar o circuit breaker, que é como um disjuntor que desliga o alarme

Falta de ar

  • A última comunicação com a equipe de manutenção foi feita quando o avião cruzava a marca de 8,8 km de altitude
  • Provavelmente, nesse momento o piloto e o copiloto desmaiaram por causa da falta de oxigênio na cabine
  • Em função do piloto automático, o avião continuou subindo até a altitude de cruzeiro, o que aconteceu por volta de 16 minutos após a decolagem
Helios 522 - Louisa Gouliamaki/AFP - Louisa Gouliamaki/AFP
14.ago.2005 - Bombeiros apagam fogo da explosão do Boeing 737-300, da Helios Airways, que caiu na Grécia
Imagem: Louisa Gouliamaki/AFP

Indícios de problemas

Às 09h37, o avião entrou no espaço de controle aéreo de Atenas. A aeronave passou pelo aeroporto da capital grega e, às 10h38, entrou em uma órbita de voo de espera próximo à cidade.

Acionamento de caças

  • Com as tentativas frustradas de contato dos controladores de voo, foi levantada a suspeita de que o avião poderia ter sido sequestrado
  • Próximo às 11h, já após o horário de pouso previsto, caças F-16 foram acionados para acompanhar o avião
  • Às 11h24, os caças interceptaram o avião 'fantasma', e, na sequência, disseram que não conseguiam ver o piloto, e que o copiloto estava, aparentemente inconsciente sobre os controles
  • Poucos minutos depois, os pilotos dos caças observam alguém entrando sem máscara de oxigênio na cabine

A queda

  • Às 11h50, um dos motores parou de funcionar devido à falta de combustível
  • Com isso, o avião começa a perder altitude
  • A cerca de 2,1 km de altitude, o outro motor também para de funcionar
  • Às 12h03, o avião colide com as montanhas próximas a Atenas, matando todos a bordo
Helios 522 - Louisa Gouliamaki/AFP - Louisa Gouliamaki/AFP
Bombeiros carregam corpo de vítima do acidente aéreo em montanhas perto de Maratona, na Grécia
Imagem: Louisa Gouliamaki/AFP

Investigação

Entre as causas do acidente, a investigação destacou a falha na seleção da posição da válvula de pressurização do avião.

Na noite anterior, mecânicos fizeram vários testes na aeronave, e, para isso, mudaram a posição de automático para manual, sem retornar à posição anterior após o término do serviço.

A pressurização do avião é importante pois, quanto mais alto ele está, menor é a concentração de oxigênio no ar, podendo causar hipóxia, que é a falta do gás nos tecidos para que o corpo funcione adequadamente.

Os pilotos ainda teriam a chance de corrigir esse problema durante as checagens feitas antes do voo e após a decolagem ao menos, mas teriam falhado nesse sentido também.

Fontes: Aviation Safety Network e relatório final do acidente

********

LEIA MAIS NA NEWSLETTER

PUBLICIDADE
Errata: este conteúdo foi atualizado
Diferentemente do informado na versão anterior da reportagem, a companhia aérea Helios é de Chipre, e não da Grécia. A informação foi corrigida.