IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Voos internacionais no Brasil ainda são 60% do que eram antes da pandemia

Rob Melnychuk/Getty Images
Imagem: Rob Melnychuk/Getty Images

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/12/2022 12h00

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido

Esta é uma parte da newsletter Todos a Bordo enviada hoje (14). Na newsletter completa, apenas para assinantes, também trago essa e outras das notícias mais recentes do mundo da aviação. Quer receber a edição completa no seu email toda quarta-feira? Inscreva-se.

Na edição desta semana da newsletter Todos a Bordo, falo sobre o panorama dos voos internacionais no Brasil no pós-pandemia.

Embora a quantidade de passageiros transportados em voos domésticos esteja bem próxima aos níveis de 2019, os voos internacionais ainda tropeçam.

Falta muito para retomar a movimentação internacional de passageiros aéreos no Brasil.

  • Janeiro a outubro de 2019: 20,3 milhões de passageiros e 122,2 mil decolagens.
  • Janeiro a outubro de 2022: 12,3 milhões de passageiros e 79,8 mil decolagens.
  • Ou seja, atualmente o número de passageiros equivale a cerca de 60% do nível registrado antes da pandemia.
  • O número de decolagens, por sua vez, equivale a cerca de 65% do volume registrado no nível antes da pandemia.
  • As informações são da Anac.

Número de passageiros de algumas empresas

2019 x 2022 (janeiro a outubro em ambos os anos)

  • Latam: 4,7 milhões x 1,9 milhão
  • Gol: 1,8 milhão x 688 mil
  • TAP: 1,5 milhão x 1,3 milhão

LEIA MAIS NA NEWSLETTER

PUBLICIDADE
Errata: este conteúdo foi atualizado
Estavam erradas as informações de que, em comparação com a movimentação de 2019, o número de passageiros havia caído 60% em 2022, enquanto o número de decolagens havia caído 65%. O correto é dizer que os números de 2022 correspondem a 60% do número de passageiros e a 65% do número de partidas registrados em 2019. O texto foi corrigido.