IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Cotações


Dólar fica acima de R$ 4 ao longo de um mês inteiro pela 1ª vez

Do UOL*, em São Paulo

30/09/2019 18h48

Resumo da notícia

  • Dólar comercial subiu 0,32% em setembro, fechando a R$ 4,155 na venda
  • Foi o primeiro mês na história da moeda em que o dólar fechou acima de R$ 4 em todas as sessões
  • A moeda fechou o terceiro trimestre do ano com avanço de 8,19%. É o maior para o período desde 2015, quando disparou 33%
  • O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o terceiro trimestre com alta de 3,74%
  • Setembro foi marcado por intervenções do Banco Central no câmbio, cortes de juros e pela preocupação com a economia mundial

O dólar comercial subiu 0,32% em setembro, fechando a R$ 4,155 na venda. Foi o primeiro mês na história da moeda em que o dólar fechou acima de R$ 4 em todas as sessões, oscilando entre mínima de R$ 4,06 na venda e máxima de R$ 4,183.

A alta moderada em setembro, de 0,32%, vem na sequência de uma disparada de mais de 8% em agosto. Com isso, a moeda fechou o terceiro trimestre do ano com avanço de 8,19%. É o maior para o período desde 2015, quando disparou 33%.

No acumulado de 2019, o dólar sobe 7,24%. Nesta segunda-feira (30), a moeda americana fechou quase estável, com leve queda de 0,02%.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o terceiro trimestre com alta de 3,74%, aos 104.745,32 pontos. Em setembro, o avanço foi de 3,57% e, no dia, teve queda de 0,32%. Em 2019, a Bolsa registra alta de 19,18%.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Preocupação com economia mundial

O mês de setembro foi marcado por intervenções do Banco Central no câmbio, cortes de juros aqui e no exterior, pela preocupação com a economia mundial e os sinais de que ela pode estar desacelerando, além da guerra comercial entre EUA e China. Analistas acreditam que isso deve continuar em outubro.

Também sob os holofotes está o processo de impeachment do presidente dos EUA, Donald Trump.

Em entrevista à agência de notícias Reuters, Jefferson Laatus, sócio fundador do Grupo Laatus, afirmou que o cenário externo permanece dando a direção, com investidores atentos às incertezas comerciais e geopolíticas.

"Há bastante cautela no mercado. As relações comerciais, como sempre, estão em foco, mas agora o mercado também está de olho na troca de farpas entre o Irã e a Arábia Saudita", disse ele.

A China alertou nesta segunda-feira sobre a instabilidade nos mercados internacionais após qualquer "dissociação" da China e dos Estados Unidos, depois que fontes disseram que o governo norte-americano está considerando deslistar as empresas chinesas das bolsas de valores norte-americanas.

A notícia saiu antes do 70º aniversário da República Popular da China, o que deixará os mercados fechados por uma semana a partir desta terça-feira (1º). As conversas de alto escalão entre os países seguem previstas para o começo de outubro.

As atenções também seguem voltadas para a divulgação do relatório mensal de empregos e a balança comercial dos Estados Unidos, que darão mais sinais sobre a saúde da economia norte-americana.

No Oriente Médio, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, alertou em uma entrevista transmitida no domingo que os preços do petróleo podem atingir "números inimaginavelmente altos" se o mundo não se unir para deter o Irã, mas disse que prefere uma solução política a uma opção militar.

As tensões entre os dois países agitaram os mercados financeiros neste mês, após um ataque de drones às instalações de petróleo da Arábia Saudita. Os EUA acusaram o Irã pelos ataques que interromperam metade da produção do país, mas o governo iraniano negou o envolvimento.

No cenário interno, os mercados de câmbio seguem atentos à votação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado na terça-feira, com expectativa de que a votação da reforma em primeiro turno no plenário do Senado aconteça no mesmo dia.

*Com informações da Reuters

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Cotações