PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Cotações

Eleição argentina pode afetar Brasil, mas não de imediato, dizem analistas

João José Oliveira

Do UOL, em São Paulo

28/10/2019 15h33Atualizada em 28/10/2019 15h33

Resumo da notícia

  • Vitória da oposição nas eleições presidenciais argentinas pode alterar política econômica no país vizinho
  • Economistas dizem que é preciso aguardar primeiras medidas do novo presidente argentino para projetar eventuais reflexos na economia brasileira
  • Por ser terceiro maior parceiro comercial brasileiro, mudanças políticas lá podem afetar economia brasileira no médio prazo

A vitória da oposição nas eleições presidenciais argentinas, com a escolha de Alberto Fernández, teve impactos no mercado local, com títulos do governo da Argentina despencando e o peso em forte baixa ante o dólar, a ponto de o banco central do país ter decidido limitar os saques por pessoa. Por aqui, porém, a eleição tem tido reflexo limitado.

Segundo analistas, é um sinal de que os investidores preferem aguardar mais informações sobre as decisões que o novo presidente do país vizinho irá tomar.

"Os investidores estrangeiros sabem bem diferenciar o Brasil da Argentina. Então, não vejo mudança no fluxo de recursos para o Brasil por causa da Argentina", disse Rodrigo Gallo, professor do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia e especialista em relações internacionais.

Para ele, mesmo que a política econômica do país vizinho dê uma guinada à esquerda e que o discurso do novo presidente entre em choque com o do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, isso não deve passar de trocas de farpas sem efeitos práticos concretos. "Por maior que seja a diferença ideológica, os dois países são importantes um para o outro", disse Gallo.

"Mesmo que a gente tenha algum solavanco nos mercados neste primeiro momento, a importância dessas variações para o mercado e para a economia no médio prazo é perto de zero, pois temos mesmo é que ver qual será o plano do governo argentino para a economia e como isso afeta o Brasil", disse o professor de macroeconomia da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Arthur Igreja. "O mercado tende a esperar essas primeiras semanas, para ir reagindo aos poucos", afirmou.

Pode afetar mais exportações brasileiras

O economista da FGV destaca que é justificada uma atenção dos investidores com os rumos da economia argentina, no médio prazo, pois o país é nosso terceiro mais importante parceiro comercial no mundo —o principal na América Latina—, respondendo por 5% das exportações brasileiras, atrás somente de China e Estados Unidos.

"Quando fazemos negócio com um ente que está em crise, acabamos importando uma parte da crise", afirmou Igreja.

As vendas de produtos brasileiros para a Argentina, por exemplo, diminuíram neste ano por causa da economia fraca lá. Até setembro, as exportações brasileiras para os argentinos recuaram 39,3%, de US$ 12,2 bilhões, entre janeiro e setembro de 2018, para US$ 7,4 bilhões, no mesmo período deste ano.

"Esse impacto pode ser mais forte em alguns setores, como o de veículos", afirmou o professor da FGV. Segundo o sindicato dos fabricantes de autopeças (Sindipeças), até setembro deste ano, as exportações de autopeças do Brasil para a Argentina caíram 32,1%, para US$ 1,13 bilhão, na comparação anual.

O economista Roberto Troster, sócio da Troste e Associados, disse que o ponto mais preocupante com relação à Argentina sob o novo governo é a possibilidade de o país retomar uma política econômica baseada na intervenção do governo, com aumento de gastos públicos —algo que, segundo ele, não deu certo. Em 2018, a Argentina teve que receber uma ajuda de US$ 57 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI) em troca de um forte corte de gastos públicos.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Argentinos contam como a crise mudou o dia a dia

UOL Notícias

Cotações