IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Bolsas da Europa caem quase 9% e fecham no menor nível em oito meses

Do UOL, em São Paulo

09/03/2020 14h48Atualizada em 09/03/2020 16h22

As principais Bolsas da Europa registraram fortes quedas hoje, de quase 9%, e fecharam no menor nível em oito meses. O tombo ocorreu após os preços do petróleo despencarem, o que aprofundou as preocupações de que uma recessão global possa se seguir ao surto de coronavírus.

As empresas europeias perderam quase US$ 3 trilhões em valor de mercado desde que a rápida disseminação do coronavírus provocou uma onda mundial de venda de ações, em fevereiro, conforme o surto perturba a atividade econômica em todo o mundo.

O choque no petróleo agrava o que o coronavírus está fazendo com a economia global.
Andrea Cicione, chefe de estratégia da TS Lombard

O índice de petróleo e gás SXEP sofreu as maiores perdas, com uma queda de quase 17% depois que os preços do petróleo perderam um terço de seu valor. A queda na cotação se deve às preocupações com a guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia.

    Bolsas da Europa despencam

    O índice FTS Eurofirst 300 caiu 7,59%, a 1.324 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 7,44%, a 340 pontos, pior dia desde a crise financeira de 2008.

    • Em Londres, o índice Financial Times recuou 7,69%, a 5.965 pontos
    • Em Frankfurt, o índice DAX caiu 7,94%, a 10.625 pontos
    • Em Paris, o índice CAC-40 perdeu 8,39%, a 4.707 pontos
    • Em Milão, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,17%, a 18.475 pontos
    • Em Madri, o índice Ibex-35 registrou baixa de 7,96%, a 7.708 pontos
    • Em Lisboa, o índice PSI20 desvalorizou-se 8,66%, a 4.266 pontos

    Bolsas da Ásia também caem

    Mais cedo, os mercados asiáticos também haviam fechado com fortes quedas. Na China, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 3,42%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 3,01%. Houve queda generalizada entre os setores, pressionados pelo de matérias-primas.

    No dia, investidores estrangeiros venderam ações no valor de mais de 12 bilhões de yuans (US$ 1,73 bilhões) através do Stock Connect que liga a China continental a Hong Kong em meio a uma corrida para comprar ativos menos arriscados. Ainda assim, as perdas foram limitadas em comparação com outros mercados, com o número de novos casos do vírus na China caindo e as expectativas de mais suporte por Pequim para ajudar a economia.

    • Em Tóquio, o índice Nikkei recuou 5,07%, a 19.698 pontos
    • Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 4,23%, a 25.040 pontos
    • Em Xangai, o índice SSEC perdeu 3,01%, a 2.943 pontos
    • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, retrocedeu 3,42%, a 3.997 pontos
    • Em Seul, o índice Kospi teve desvalorização de 4,19%, a 1.954 pontos
    • Em Taiwan, o índice Taiex registrou baixa de 3,04%, a 10.977 pontos
    • Em Singapura, o índice Straits Times desvalorizou-se 6,03%, a 2.782 pontos
    • Em Sydney o índice S&P/ASX 200 recuou 7,33%, a 5.760 pontos

    (Com Reuters)

    Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
    Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
    Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas