PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Bolsa tomba 7,64% mesmo após parada temporária, com temor por coronavírus

Do UOL, em São Paulo

11/03/2020 17h22Atualizada em 11/03/2020 18h08

O mercado financeiro teve mais um dia de forte tensão nesta quarta-feira (11), e a Bolsa brasileira chegou a ter as negociações suspensas temporariamente à tarde, pela segunda vez nesta semana, devido a temores globais com o novo coronavírus, agora classificado como pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou em queda de 7,64%, a 85.171,13 pontos, menor nível desde 26 de dezembro de 2018 (85.136,1 pontos). Lideraram as perdas as aéreas Azul (-16,39%) e Gol (-14,57%). As ações de Petrobras e Vale caíram mais de 9%. O índice acumula queda de mais de 13% apenas esta semana, e 26,3% de desvalorização em 2020.

O dólar comercial fechou em alta de 1,61%, a R$ 4,721, abaixo do nível recorde (R$ 4,726) registrado na segunda-feira.

Circuit breaker: Bolsa para por 30 minutos

Por volta das 15h15, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira atingiu queda de 10,11%, o que acionou o "circuit breaker". O "circuit breaker" também havia sido acionado na segunda-feira, pela primeira vez desde 2017, em outro dia de caos nos mercados mundiais.

A interrupção dos negócios, chamada de "circuit breaker", é um mecanismo adotado no mundo todo e serve para garantir proteção quando há grande instabilidade em momentos atípicos do mercado.

Aqui no Brasil, quando a queda da Bolsa atinge 10%, ela é paralisada por 30 minutos. Passado esse intervalo, os negócios são reabertos e o limite de queda passa a ser de 15%. Se a baixa chegar a 15%, a Bolsa para novamente, agora por uma hora. Após esse período, as operações são retomadas e o limite de baixa aumenta para 20%. Se o Ibovespa cai 20%, os mercados podem ser interrompidos por qualquer prazo definido pela Bolsa de Valores.

Pandemia de coronavírus

Em todo o mundo, investidores acompanham com preocupação a rápida expansão do surto de coronavírus e seus impactos na economia. A OMS declarou hoje uma pandemia do coronavírus, o que significa que há uma transmissão recorrente em diferentes partes do mundo e de forma simultânea.

No Brasil, o Ministério da Saúde informou hoje um aumento no número de casos. Agora, são 37 infectados e 876 casos suspeitos. A equipe econômica cortou a projeção de crescimento neste ano de 2,4% para 2,1%.

Ações de governos contra efeitos do vírus

O coronavírus já forçou vários governos e bancos centrais a anunciarem medidas de emergência para evitar que a doença leve a uma nova recessão econômica, mas ainda permanecem dúvidas sobre sua eficiência. Para Alvaro Azevedo, sócio da Vero Investimentos, o mercado ainda aguarda sinalizações mais claras dos governos sobre as medidas que serão tomadas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, procurou acalmar os temores, afirmando que utilizará todos os recursos governamentais possíveis para combatê-lo.

Outros países também intensificaram as medidas de combate ao vírus. O banco central britânico cortou sua taxa de juros, e a Itália aumentou os gastos diante de um crescente números de infectados e mortos no país.

No Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o Congresso está à disposição do governo para, além das medidas emergenciais de curto prazo, dar respostas aos impactos econômicos da disseminação do vírus.

(Com Reuters)

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Cotações