PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Cotações

Dólar sobe a R$ 4,821; Bolsa fica estável após quatro altas

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

25/05/2022 17h23

O dólar fechou esta quarta-feira (24) a R$ 4,821, em uma subida de 0,18%. Já o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), encerrou o pregão em estabilidade, aos 110.579,81 pontos, após registrar quatro avanços consecutivos.

As constantes variações da moeda estrangeira ao longo do dia são justificadas por economistas pela antecipação de quanto será o aperto monetário nos Estados Unidos, enquanto o país passa por fragilidade econômica.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Nova ata do Fed e dólar volátil

Wall Street oscilou hoje depois que a ata da mais recente reunião de política monetária do Fed (Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos) mostrou que seus membros foram unânimes na visão de que a economia dos EUA está muito forte enquanto lutam para controlar a inflação sem desencadear uma recessão.

A ata —da reunião de maio do Comitê Federal de Mercado Aberto, que culminou em um aumento de 0,50 ponto porcentual na taxa básica do Federal Reserve, o maior ajuste em 22 anos— apontou que a maioria dos participantes da reunião julgou que novas altas dos juros "provavelmente serão apropriadas" em suas próximas reuniões de junho e julho.

"O principal 'driver' para o dólar no dia é a ata do Fomc (comitê de decisão de juros do Fed), não só no Brasil, mas no mundo todo", disse à Reuters Bruno Mori, planejador financeiro pela Associação Brasileira de Planejamento Financeiro, notando forte valorização do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos.

Mori avaliou que o mercado tem sofrido com uma volatilidade elevada, em parte por conta de dúvidas sobre qual será a intensidade e a velocidade do aperto da política monetária norte-americana, que está em andamento justamente num momento de maior fragilidade econômica nos EUA.

"Não existe tendência totalmente clara em relação à atividade, e a moeda (dólar) acaba ficando sem direção certeira", disse o especialista.

Juros mais altos nos Estados Unidos são vistos, no geral, como fator de impulso para a divisa norte-americana, já que tornam a renda fixa local, a mais segura do mundo, mais rentável.

No entanto, depois de chegar a tocar um pico em mais de duas décadas em meados deste mês, o dólar perdeu um pouco de seu brilho nos últimos dias, acompanhando declínio nos rendimentos dos Treasuries, tanto pelos receios sobre o crescimento da atividade quanto por sinalizações mais duras de outros bancos centrais, como o Banco Central Europeu, em meio ao salto da inflação.

*Com Reuters

Cotações