IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Com investidores de olho na inflação, dólar cai a R$ 5,057 e Bolsa recua

A moeda norte-americana alternou entre estabilidade e leve queda frente ao real - Rick Wilking/Reuters
A moeda norte-americana alternou entre estabilidade e leve queda frente ao real Imagem: Rick Wilking/Reuters

Do UOL, em São Paulo

26/04/2023 17h25Atualizada em 26/04/2023 17h36

O dólar comercial encerrou em baixa de 0,15%, cotado a R$ 5,057.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), também fechou em queda de 0,88%, aos 102.312,10 pontos.

O que aconteceu:

A moeda norte-americana alternou entre estabilidade e leve queda frente ao real, de olho na melhora do sentimento externo após a redução de temores sobre a saúde econômica dos Estados Unidos, enquanto investidores digeriam dados ligeiramente mais baixos do que o esperado do IPCA-15 de abril.

Investidores mantinham certo grau de cautela em meio às dificuldades de credores norte-americanos de médio porte, o que, segundo Felipe Izac, sócio da Nexgen Capital, tem sustentado apostas de que o Federal Reserve precisará ser mais comedido em seu ciclo de alta de juros.

Isso, por sua vez, tem mantido o dólar em patamares mais baixos a nível global, disse ele.

O banco central dos EUA se reúne na semana que vem para deliberar sobre a política monetária, com ampla expectativa de que encerre seu ciclo de aperto com um último ajuste de 0,25 ponto percentual na taxa de juros.

Cenário interno

Enquanto isso, no Brasil, o avanço dos preços de alimentos e habitação mostrou algum alívio e a alta do IPCA-15 desacelerou mais do que o esperado em abril, levando o índice em 12 meses abaixo de 5% pela primeira vez em pouco mais de dois anos.

Segundo Izac, isso é visto como positivo pelos mercados, já que um arrefecimento da inflação abriria espaço para cortes de juros "saudáveis" por parte do Banco Central.

A Selic elevada, atualmente em 13,75% ao ano, é apontada como um dos maiores pilares de sustentação do real, uma vez que impulsiona os retornos oferecidos pela moeda a investidores estrangeiros.

Mesmo assim, cortes de juros graduais que fossem acompanhados de uma redução na inflação, de forma a manter a taxa de juros real em níveis atraentes, provavelmente não afetariam o interesse pela moeda local, afirmou Izac.

O problema, segundo ele, seria uma redução de juros "na canetada", sem aval dos dados inflacionários e por pressão política do governo, o que minaria a credibilidade do real.

(Com Reuters)