Conteúdo publicado há 9 meses

Dólar sobe a R$ 4,789 e Bolsa cai 0,57%, às vésperas de anúncio sobre juros

O dólar comercial subiu 1,269% nesta terça-feira e encerrou a sessão cotado a R$ 4,789.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), fechou em queda de 0,57%, aos 121.248,39 pontos.

Cenário externo:

A moeda norte-americana subiu frente ao real no primeiro dia de reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). A nova taxa de juros será definida amanhã.

No exterior, investidores reagiram negativamente a dados de atividade da China e da Europa. Ainda aguardam leituras econômicas dos Estados Unidos. "O receio com a desaceleração econômica na segunda maior economia do mundo se sobrepôs à iniciativa do governo, que sinaliza mais estímulos à atividade no país", disse a Guide Investimentos em nota a clientes.

Dados fracos sobre a atividade industrial na zona do euro também minavam o otimismo dos investidores.

O índice do dólar contra uma cesta de pares fortes avançava 0,5% no dia. Os investidores também aguardavam dados de Índices de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) dos EUA, bem como um relatório de empregos norte-americano de sexta-feira.

Cenário interno

Ibovespa recuou com agentes financeiros analisando notícias corporativas. As ações da Sabesp tiveram a maior queda do dia, reagindo ao anúncio do modelo de privatização da empresa. O Ibovespa também foi pressionado pela queda de Petrobras e Vale.

Copom iniciou a reunião para definir a taxa básica de juros Selic. A expectativa é de que o BC inicie o afrouxamento monetário. Na curva de juros, subiram as apostas de que o BC cortará a taxa básica Selic, hoje em 13,75% ao ano, em 0,50 ponto percentual, mas economistas consultados pela Reuters projetavam redução mais branda, de 0,25 ponto.

Continua após a publicidade

O nível atual dos juros é apontado como um apoio para o real ao torná-lo mais atraente para estratégias de "carry trade", que buscam lucrar com diferenciais de custos de empréstimo entre economias.

Participantes do mercado argumentam que, mesmo após o início do afrouxamento da política monetária do BC, a Selic seguirá em nível restritivo. Isto vai dar suporte à moeda brasileira, ao mesmo tempo que prevalece uma visão mais otimista sobre a conjuntura doméstica.

Congresso retorna com Orçamento e CPI mista que investiga os atos antidemocráticos de 8 de janeiro no foco. Os parlamentares estavam em recesso. Além destes assuntos, prosseguem as negociações sobre a maior participação do centrão no Executivo.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial (saiba mais clicando aqui). Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

(Com Reuters)

Deixe seu comentário

Só para assinantes