PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

País cria 47.319 vagas com carteira assinada e tem melhor julho desde 2012

Do UOL, em São Paulo

22/08/2018 17h27Atualizada em 22/08/2018 18h55

O Brasil criou 47.319 vagas com carteira assinada em julho, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta quarta-feira (22). É o melhor desempenho para o mês desde 2012 (+142,4 mil). Em julho do ano passado, o país havia aberto 35,9 mil vagas.

Esse resultado é o saldo, ou seja, a diferença entre contratações e demissões. Em julho, foram 1.219.187 contratações e 1.171.868 demissões.

O resultado volta a ser positivo após uma queda em junho (-661). De janeiro a julho, o país totaliza 448.263 novas vagas com carteira assinada. No acumulado em 12 meses, foram criados 286.121 empregos com carteira. 

Se mantiver a tendência até o fim do ano, o Brasil terá interrompido uma sequência de três anos de queda, quando foram perdidos mais de 2,88 milhões de empregos formais, entre 2015 e 2017.

Leia também:

Agronegócio é destaque

Com exceção do comércio e da administração pública, todos os setores ganharam postos de trabalho. O destaque foi o agronegócio:

  • Agronegócio: +17.455
  • Serviços: +14.548
  • Construção civil: +10.063
  • Indústria de transformação: +4.993
  • Serviços de utilidade pública: +1.335
  • Extração mineral: +702
  • Administração pública: -1.528
  • Comércio: -249

SP, MG e PA criam vagas

O estado que mais gerou empregos em julho foi São Paulo: +15,3 mil vagas. Em seguida, aparece Minas Gerais: +10,3 mil vagas. No Pará, foram gerados 3.500 empregos formais.

Rio Grande Sul (-2.657), Rio de Janeiro (-1.001) e Pernambuco (-111) foram estados que registraram mais demissões do que contratações ao longo do mês.

IBGE faz pesquisa diferente

Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Ministério do Trabalho consideram apenas os empregos com carteira assinada. 

Existem outros números sobre desemprego apresentados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que são mais amplos, pois levam em conta todos os trabalhadores, com e sem carteira.

A última Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua registrou que o Brasil tinha, em média, 13 milhões de desempregados no segundo trimestre do ano.

(Com agências de notícias)

Como a reforma trabalhista afeta a sua vida?

UOL Notícias