PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mercados globais reagem às sanções à Rússia anunciadas por Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, apresenta atualização sobre a situação na fronteira Rússia-Ucrânia - Jim WATSON / AFP
O presidente dos EUA, Joe Biden, apresenta atualização sobre a situação na fronteira Rússia-Ucrânia Imagem: Jim WATSON / AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

25/02/2022 09h40

Esta é a versão online para a edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Após o anúncio de uma invasão em larga escala à Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin, a comunidade internacional esperava uma resposta enérgica e definitiva da parte do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Entretanto, o mercado avaliou que as sanções anunciadas por Biden foram mais fracas do que o esperado, expandindo o número de bancos russos e outras empresas bloqueadas do sistema financeiro americano. Ao contrário do que se esperava, a Rússia não foi bloqueada no sistema bancário internacional Swift, e não foram anunciadas sanções ou restrições às suas exportações de petróleo e gás.

Portanto, investidores avaliam que o conflito deve ser menos duradouro do que se esperava inicialmente e as novas sanções não devem resultar em uma retaliação russa, o que diminui o risco de desabastecimento energético na Europa, e permite que o preço do barril de petróleo volte a recuar levemente.

Entre os líderes europeus, porém, o clima é de divisão, com o primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson, defendendo com unhas e dentes a imposição de sanções mais severas à Rússia, enquanto lideranças da Alemanha, nação altamente dependente do gás natural fornecido pelos russos, parecem não querer irritar o Kremlin.

Diante deste cenário, as principais Bolsas de Valores operam sem direção única, com os índices de ações norte-americanos em baixa enquanto os mercados europeus avançam.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Economia Investimentos): informações sobre os resultados da Petrobras e o que esperar.

Um abraço,

Felipe Bevilacqua

Analista certificado e sócio-fundador da Levante
CNPI - Analista certificado pela Apimec
Gestor CGA - Gestor de Fundos certificado pela Anbima
Administrador de Recursos e Gestor autorizado pela CVM

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.