PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

4 lições da crise econômica atual para os investidores

Conteúdo exclusivo para assinantes

Leticia Braga de Andrade

15/04/2022 04h00

Quem tem participado do mundo dos investimentos nos últimos três ou quatro anos sabe a montanha-russa que tem sido. Pandemia, arrefecimento da pandemia, inflação, aumento da taxa básica de juros (Selic), guerra, valorização cambial... A cada momento uma nova invertida de contexto que muda tudo.

Isso tem alimentado a ideia de oscilação e risco dos investimentos no mercado de capitais. Pois, bem, este é um excelente momento de aprendizado. Ao riscar a letra "s" da palavra "crise", temos a palavra "crie" —então, vamos aproveitar o momento para aprender e nos atualizar sobre 4 lições da crise econômica atual para os investidores.

1. Análise técnica ou análise fundamentalista?

Desponta a diferença de estratégia entre as análises técnica e fundamentalista. Enquanto a análise técnica considera a evolução gráfica do valor passado para projetar tendências, a análise fundamentalista observa os fundamentos contábeis e estratégicos da empresa.

Contudo, neste momento de sobe e desce outro fator merece ser considerado. Trata-se da análise topdown, que inclui analisar segmento, país, mercado e, então, a empresa.

Assim pode-se ter uma noção mais aproximada sobre o que esperar de determinada opção de investimento para os próximos meses.

2. Grandes empresas globais

É como dizem: "o dinheiro não sumiu, só mudou de mão". Por mais instável e volátil que esteja o mercado, sempre há alternativas.

Existem grandes empresas globais centenárias que já enfrentaram diversas crises ao longo do tempo. Elas souberam se adaptar, crescer e se desenvolver.

São empresas com comprovada competência de gestão financeira —muitas inclusive com caixa maior do que o PIB (Produto Interno Bruto) de muitos países. Saber identificá-las exige apenas curiosidade sobre história.

3. Curto e longo prazo

Falando em história, nunca é demais lembrar que o tempo é o "senhor de tudo". Ciclos econômicos fazem parte da evolução do mundo. Dependendo do recorte de tempo considerado, em ciclos mais longos de 20 ou 30 anos, é o crescimento que prevalece.

A taxa de câmbio, por exemplo, neste momento tem significativa valorização do real perante o dólar. Porém, quando analisada ao longo dos últimos 10 anos, seu comportamento é muito diferente, oferecendo importantes argumentos para prever o que está por vir.

4. Estratégias de investimento

Recentemente a estratégia day trade tem ganhado espaço por aqui. Esta é uma estratégia que busca ganhos meramente especulativos realizados num único dia.

A origem desses ganhos decorre exclusivamente do volume de compra e venda do papel, e não de indicadores mais consistentes. Isto caracteriza alto arrisco, podendo incorrer em ganhos significativos —mas, por outro lado, também podem ocorrer perdas totais.

Mas há uma outra estratégia pouco considerada, porém recomendada por grandes investidores. Trata-se da estratégia buy and hold (comprar e manter).

Aqui retomo os pontos anteriores: grandes empresas globais, com fundamentos sólidos ao longo do tempo podem ser boas oportunidades de investimento, apesar desta montanha-russa econômica.

Por tudo isso, não deixe de pensar no seu futuro financeiro. Não abra mão de conquistar sua liberdade financeira por receio da crise econômica. Busque conhecimento!

Quando estamos doentes, procuramos um médico dedicado a estudar aquela doença. Com o dinheiro não deve ser diferente. Busque um especialista em investimentos e siga construindo um futuro melhor para você e sua família.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Especialistas em finanças ajudam você a poupar e a escapar de erros comuns para quem quer construir um patrimônio. Tenha informações que auxiliam você a tomar decisões sobre investimentos e aproveite melhor as oportunidades disponíveis no mercado