PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Ela morou de favor, sofreu homofobia e hoje é professora de finanças na XP

Clara Sodré, professora da Xpeed School e assessora de investimentos da XP, passou por muito perrengue. - Divulgação
Clara Sodré, professora da Xpeed School e assessora de investimentos da XP, passou por muito perrengue. Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes

Camila Mendonça

Do UOL, em São Paulo

15/08/2021 04h00

"Se cuida, se vira, não dependa de homem". De tanto ouvir o conselho da mãe, Clara Sodré, 25, não demorou a querer fazer dinheiro. Com o primeiro computador da família, aos 14 anos, a menina de Camaçari, cidade industrial da Bahia, aprendeu a fazer acessórios para um jogo virtual, e a vendê-los. "Meu pico foi fazer R$ 500 em uma semana e minha mãe foi comigo abrir conta em banco", diz.

Sem entender nada de mercado financeiro, viu em casa as consequências da crise de 2015: o pai, que trabalhava na indústria, perdeu o emprego e até hoje não conseguiu se recolocar. Coube à mãe, que faz artesanato, "carregar a casa" sozinha. E o orçamento, sempre certinho, ficou ainda mais apertado.

Clara Sodré é uma das convidadas do próximo Guia do Investidor UOL, que vai mostrar como investir para realizar metas e por fase de vida. O evento é gratuito e você pode se inscrever no cadastro abaixo.

"A gente não era rico, e era tudo bem certinho. Esse meu interesse por esse mundo do mercado financeiro vem muito disso e da minha própria experiência, por ter precisado muito de dinheiro em alguns momentos e não saber como me planejar para passar por momentos mais difíceis com tranquilidade", afirma.

Expectativa x Realidade

As preocupações com o futuro não partiram apenas da realidade apertada que vivia em casa, mas também da própria sexualidade, conta Clara.

"Eu procurava estudar e alinhar como eu iria entrar no mercado de trabalho. Desde nova eu tinha muito essa preocupação por ser lésbica, porque quando eu me descobri, via o que estava acontecendo com os meus amigos, que estavam se perdendo muito na fase escolar. Eu sabia que precisava fazer o meu dinheiro", afirma.

Os planos eram claros: estudar o máximo que ela pudesse, e sair de casa formada, "com tudo alinhado". A realidade foi bem diferente.

"Nesse processo, eu fui 'tirada do armário'. Infelizmente, Camaçari é uma das cidades mais homofóbicas do Brasil, e o machismo lá ainda era muito forte. Foi uma decisão minha sair de casa, e minha saída foi complicada. O ambiente não estava saudável", diz.

Clara saiu de Camaçari para Salvador (BA) sem dinheiro para cursar Engenharia Mecânica, e com ajuda de amigos para se manter na cidade.

"Eu ainda não tinha educação financeira, eu não olhava para o dinheiro como ferramenta para me ajudar, olhava para o dinheiro como compensação pelo o que sofri. Tinha muito essa mentalidade", diz.

Ela foi fazer e vender brownie

Foram seis meses na cidade trabalhando como representante comercial, ganhando dinheiro apenas quando vendia, a passagem e a alimentação do dia. O dinheiro não dava para o aluguel, e Clara contou com os amigos, com os quais morou.

"Nessa época foi sobrevivendo como dava, do jeito que dava, com amigos. Não tive ajuda de dinheiro, tive ajuda de trabalho e casa", diz.

"Chegou um momento que eu comecei a achar que a culpa era do lugar. Durante esse período, recebi muita porta na cara mesmo, com gente querendo se aproveitar da situação. Então, dei um 'chega'", afirma.

De novo, com a ajuda de amigos, Clara deixou a faculdade em Salvador para tentar a vida em outro lugar. Conseguiu um trabalho em uma fábrica de brownie em Florianópolis (SC). Trabalhava na produção dos doces, e até nas vendas da loja. Em menos de dois anos, virou supervisora e decidiu estudar Administração.

"Não quero isso para minha vida"

Na faculdade, começou a trabalhar em banco, atendendo a idosos na área de empréstimo consignado. "Foi aí que comecei a olhar para as minhas próprias finanças", diz.

Até então, Clara nunca havia feito dívidas, com receio de sujar o nome. Mas também não deixava sobrar dinheiro, até que foi impactada pelas histórias que ouvia do outro lado da mesa de atendimento do banco.

"É a coisa mais triste para se trabalhar, porque é um público que não teve educação financeira. Não faltava história para eu pensar que 'não é isso que eu quero para a minha vida'", afirma.

O primeiro bônus que recebeu do banco, de R$ 5.000, Clara colocou na poupança. No processo de organização financeira, ela percebeu que precisava ganhar mais. Sabia que se tirasse uma certificação, ela teria uma promoção. Mirou a certificação mais difícil, o CEA, para especialistas em investimentos.

Do banco a assessora de investimentos

Depois de estudar, Clara mudou seus investimentos e decidiu que poderia ajudar outras pessoas também. Saiu do banco no início de 2020 para trabalhar com assessoria de investimentos, quando veio a crise. Foi nesse momento que ele percebeu a importância de ter se organizado financeiramente.

Até entrar na XP, onde é assessora de investimentos e professora de finanças e investimentos na Xpeed School, Clara consumiu parte da reserva de emergência.

Hoje, a carteira de Clara tem bem mais do que os primeiros R$ 5.000 que investiu, e seu dinheiro está bem longe da poupança. Além da reserva, já recomposta em CDBs de liquidez diária, Clara tem parte da carteira em fundos multimercado e fundos de fundos.

No seu caminho de entender o papel do dinheiro em sua vida, a especialista tem mais claro o conselho da mãe, de fazer dinheiro para não depender de ninguém.

"Hoje eu consigo dizer que desenhei o que a Clara lá de trás sonhou. As metas ajudam nisso e por isso eu gosto delas. Pode estar um caos na sua frente, mas você consegue desenhar o amanhã", diz.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE

O Guia do Investidor UOL é uma série de eventos quinzenais e gratuitos que apresenta todos os passos para quem quer aprender a investir e entender melhor sobre o mercado financeiro. Veja as histórias inspiradoras e dicas de especialistas para multiplicar o seu dinheiro