PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Bitcoin ou ouro: O que é melhor para proteger seu dinheiro da inflação?

Com inflação recorde em décadas no mundo, como escolher entre ouro ou bitcoin como reserva de valor - Reprodução/Spink & Son
Com inflação recorde em décadas no mundo, como escolher entre ouro ou bitcoin como reserva de valor Imagem: Reprodução/Spink & Son
Conteúdo exclusivo para assinantes

08/02/2022 09h35

Esta é a versão online para a edição desta terça-feira (8/2) da newsletter UOL Investimentos. Para assinar esse e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

No Brasil, a maior inflação desde 2017. Nos Estados Unidos, o índice de preços ao consumidor é o maior em quatro décadas. E, na Europa, o aumento dos custos é recorde em 25 anos. O temido fenômeno econômico que corrói o poder de compra das famílias voltou com força em meio à pandemia. Junto com esse medo, aumentou o interesse dos investidores por aplicações que funcionem como reserva de valor —ou seja, que protejam de alguma forma o patrimônio ao longo dos anos.

O ouro é apontado por economistas como um dos investimentos mais tradicionais para reserva de valor, seja no Brasil, nos Estados Unidos ou na Europa. Mais recentemente, alguns especialistas passaram a apontar o bitcoin como opção. Mas qual desses dois ativos é o melhor para proteger o seu dinheiro? Veja o que dizem os especialistas ouvidos pelo UOL.

O que é reserva de valor

Reserva de valor é um ativo —um bem ou uma aplicação— que funciona como proteção do patrimônio contra variações da economia, como a inflação, mantendo assim o poder de compra da pessoa ao longo dos anos.

Mesmo que aumentem os custos dos produtos e serviços com o passar do tempo, esses investimentos acompanham o aumento generalizado de preços. Assim, a pessoa que tem posse desses bens consegue preservar o valor de seu patrimônio.

Todo investidor deve levar em conta a necessidade de proteger o patrimônio da inflação quando está montando uma carteira de investimentos diversificada. E, com o aumento da inflação, essa atenção se tornou mais necessária.
Valter Police, planejador financeiro e sócio da Fiduc

Propriedades da reserva de valor

Para ser reserva de valor, um investimento precisa ter algumas propriedades. Além de acompanhar de alguma forma a inflação, esse ativo tem que permitir ao investidor a possibilidade de fazer negócio de acordo com regras aceitas em diferentes países.

Entres as propriedades de uma reserva de valor estão:

Preservação do valor: mesmo que passe por momentos de correção, no longo prazo o ativo não perde seu valor.

Ser escasso: se um ativo é facilmente encontrado, o valor dele será baixo. Então, uma reserva de valor não pode ser algo abundante na economia ou na natureza.

Liquidez: o ativo precisa ter mercado para negociação caso o dono queira fazer dinheiro, adquirir outros bens ou quitar dívidas.

Não se deteriorar: para funcionar como reserva de valor, um ativo não pode se deteriorar ou ir sumindo ao longo dos anos.

Ouro é opção mais tradicional

O ouro é a opção mais conservadora entre as alternativas de reserva de valor, segundo os especialistas. O metal serviu durante muitos anos como material para emissão de moedas em todo o mundo, e ainda hoje faz parte das reservas de bancos centrais.

Os entrevistados declaram que a procura pelo ouro aumenta durante períodos de crise justamente por ser um ativo que funciona como proteção. Desde o início da pandemia, por exemplo, o metal negociado na Bolsa se valorizou cerca de 50%.

    Ouro (fonte B3 preço por gramas)

    • Fev.2017: R$ 122
    • Fev.2018: R$ 137
    • Fev.2019: R$ 155
    • Fev.2020: R$ 205
    • Fev.2021: R$ 325
    • Fev.2022: R$ 306
    • Pico: R$ 350 (2 de novembro de 2020)

    Bitcoin pode ser reserva de valor?

    Roberto Troster, doutor em economia pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP), está entre os especialistas que enxergam o bitcoin como uma nova forma de reserva de valor.

    Para ele, a criptomoeda é um ativo escasso, pois há uma quantidade limitada que poderá ser garimpada. Também é atrativa por ter liquidez —ou seja, pode ser comprada em vendida a qualquer momento.

    Além disso, sua natureza é aceita por todos os mercados independentemente do país e não apresenta o risco de se deteriorar com o passar dos anos.

    Hoje o Bitcoin se coloca como uma possível reserva de valor. A favor do bitcoin como uma reserva de valor conta o fato de ele ser escasso, enquanto as moedas tradicionais estão sendo impressas aos trilhões.
    André Franco, head de pesquisa do Mercado Bitcoin

    Bitcoin (fonte Coinbase, Inc)

    • Fev.2017: R$ 3.153
    • Fev.2018: R$ 29.724
    • Fev.2019: R$ 12.884
    • Fev.2020: R$ 42.798
    • Fev.2021: R$ 210.899
    • Fev.2022: R$ 194.856
    • Pico: R$ 374.718 (8 de novembro de 2021)

    Então o que é melhor: ouro ou bitcoin?

    Troster afirma que tanto o ouro como o bitcoin apresentam características que uma reserva de valor precisa ter. São elas:

    • Estabilidade de valor;
    • Potencial de valorização;
    • Fungibilidade (pode ser substituído por outro item da mesma espécie mantendo o mesmo valor; por exemplo, todas as barras de ouro independentemente do local, origem ou ano de fundição, têm o mesmo valor);
    • Durabilidade;
    • Portabilidade e facilidade de armazenamento;
    • Divisibilidade;
    • Dificuldade de falsificar;
    • Aferição da qualidade

    O ideal é que o investidor consiga montar uma carteira diversificada, e isso vale também para a parte dos investimentos dedicada à reserva de valor, afirmam todos os profissionais de mercado ouvidos pelo UOL para essa matéria.

    O ouro ou o bitcoin pode ser melhor ou não uma forma de reserva de valor dependendo do perfil do investidor, dos objetivos e dos prazos definidos por ele.
    Valter Police, head da Fiduc

    Pontos fortes do ouro

    De acordo com os especialistas, o ouro tem um histórico muito mais longo e mais comprovado que o bitcoin. Além disso, apresenta um mercado de negociação maior que o bitcoin —cerca de US$ 10 trilhões do metal contra menos de US$ 1 trilhão da criptomoeda.

    Por conta do histórico e do tamanho do mercado, o ouro tem ainda um comportamento de preços menos volátil (de oscilações) que o do bitcoin.

    Pontos fortes do bitcoin

    Os entrevistados destacam que o bitcoin tem maior potencial de valorização que o ouro por causa da escassez do ativo. E mais: o fato de não ser emitido nem controlado por governos torna a criptomoeda mais protegida de interferências de políticos ou de bancos centrais dos países.

    Eles citam também a maior facilidade para armazenar e transportar bitcoins.

    Variação em 5 anos

    • Bitcoin: 6.079%
    • Ouro: 151%
    • IPCA: 28,5%
    • IGPM: 67,4%
    • CDI: 33%
    • Poupança: 21,7%

    É momento de investir agora?

    Os especialistas ouvidos pelo UOL dizem que toda carteira de investimentos deve ter uma fatia voltada para reserva de valor, com objetivo de proteger o patrimônio da inflação.

    Segundo eles, a construção dessa parcela dos investimentos deve ser feita ao longo do tempo, para que o aplicador possa pegar um valor médio das cotações. Mas a opção pelo ouro ou pelo bitcoin deve considerar o perfil do investidor.

    Valter Police diz que os investidores mais conservadores, por exemplo, devem se atentar à decisão sobre a reserva de valor. Afinal, para ele, as fortes oscilações de preços do bitcoin, por exemplo, podem assustar e levá-los a se desfazerem dos ativos de maneira precipitada.

    Como investir

    Confira aqui como investir em bitcoins sem riscos de cair em golpes.

    E descubra aqui as formas de se investir em ouro.

    Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.