IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Aposentadoria sem INSS: quanto aplicar para ter renda mensal de R$ 5.000?

Confira quanto investir para ter uma renda mensal vitalícia e não depender da aposentadoria do INSS - iStock
Confira quanto investir para ter uma renda mensal vitalícia e não depender da aposentadoria do INSS Imagem: iStock

Gabriela Bulhões

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/01/2023 04h00

Dá para se aposentar sem depender do INSS e ter uma renda mensal de R$ 5.000 vitalícia. Para simular essa renda mensal, o UOL ouviu especialistas financeiros para saber quanto deveria ser aplicado todos os meses e como.

Quanto devo aplicar para ter uma renda mensal vitalícia?

Para ter uma renda mensal de R$ 5.000 de aposentadoria por meio de um plano de previdência complementar, a idade é um dos fatores fundamentais. Isso porque quanto mais cedo começar, maior o saldo que deve ser formado.

Na simulação feita pelo head de produtos da InvestSmart XP, Walter Fogolin considerou 65 anos como a idade de aposentadoria, ou seja, quanto o investidor deve aplicar para ter uma renda vitalícia em torno de R$ 5.000 por mês a partir dos 65 anos.

O cálculo levou em conta a faixa etária dos investidores, rentabilidade anual de 8% e inflação no período de 4%, justamente para preservar o poder de compra no futuro.

Para se aposentar aos 65 anos

Então, as opções de valor de contribuição mensal necessária ficariam em:

  • Início aos 25 anos - R$ 1.137,71
  • Início aos 30 anos - R$ 1.480,27
  • Início aos 35 anos - R$ 1.941,00
  • Início aos 40 anos - R$ 2.589,00

Como deu para perceber, quanto mais tarde começar, maior o valor do aporte mensal. Por isso, caso queira se aposentar ainda mais cedo, é necessário acumular ainda mais patrimônio - já que o tempo de usufruto é maior - e a contribuição mensal precisa ser ainda mais expressiva.

O que significa receber uma renda mensal vitalícia?

O valor acumulado ao final das décadas deve continuar a render 4% acima da inflação.

A pessoa deve sacar apenas o que render acima da inflação do valor total.

Assim, ela mantém o investimento rendendo, sem perder para a inflação, e garante uma renda mensal equivalente a R$ 5.000 para o resto de sua vida.

Não se esqueça da inflação

O valor do aporte mensal não precisa mudar durante todo o período, já que a rentabilidade real considerada nesse cálculo, ou seja, acima da inflação, foi de 4%.

Por mais que a simulação acima considere o índice inflacionário, é comum esquecer disso na hora de planejar a sua aposentadoria sem depender do INSS.

Se a inflação em um ano estiver em torno de 5%, o dinheiro tem que ter um retorno nominal de pelo menos 9% ao ano.

A meta é receber o equivalente a R$ 5.000 no futuro. Mas, no decorrer das décadas, esses R$ 5.000 irão perder poder de compra. Então, na hora de se aposentar, as pessoas irão conseguir sacar o equivalente a R$ 5.000 hoje, que será um valor bem maior.

Onde investir?

Sobre o portfólio, o mais importante é ajustar o nível de risco ao perfil do investidor, pois cada um tem uma tolerância ao risco, o que faz toda diferença na alocação do capital.

O importante é que o retorno anual seja de pelo menos 4% acima da inflação por ano.

Não existe uma carteira mágica, uns vão aceitar 30% em ações, 20% em FIIs e 50% em Tesouro Direto; outros vão achar isso muito agressivo ou até mesmo muito conservador. O importante é o ajuste fino.
Walter Fogolin, Head de Produtos da InvestSmart XP

Como funciona na previdência privada?

Ao optar por aplicar esse dinheiro em uma previdência privada, é possível escolher receber uma renda vitalícia.

Mas também é possível uma renda mensal temporária, renda mensal por prazo certo e rendas reversíveis aos beneficiários de planos de previdência privada, diz Daniel Carrillo, especialista em previdência e seguros Warren.

Além disso, o investidor pode optar em realizar resgates, manter o saldo investido ou realizar portabilidades para outros planos.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.