Só para assinantesAssine UOL

Um ano após eleição de Lula, quais foram os melhores e piores investimentos

O que aconteceu com os investimentos um ano após a eleição presidencial? O bitcoin e ações estrangeiras dispararam, enquanto o dólar caiu e a Bolsa patinou, com leve queda. Veja o que aconteceu com os principais investimentos desde o final do segundo turno das eleições, que elegeu Luiz Inácio Lula da Silva presidente.

Quais foram os melhores e piores investimentos

  1. Bitcoin: 58,26%
  2. Índice de BDR: 14,17%
  3. CDI: 13,42%
  4. Ima geral (títulos públicos): 12,04%
  5. Poupança: 8,43%
  6. Idiv (índice de dividendos): 6,78%
  7. Ifix (Fundos Imobiliários): 5,41%
  8. Ouro: 5,05%
  9. IHFA (fundos multimercado): 3,89%
  10. Euro (Ptax): 0,64%
  11. Ibovespa: -1,22%
  12. Dólar (Ptax): -5,39%
  13. Small Caps: -13,27%

Fonte: Consultor Einar Rivero. Considera rendimento de 30 de outubro de 2022 a 31 de outubro de 2023.

Por que bitcoin e BDRs dispararam

O mercado vem se recuperando desde a quebra da FTX. A empresa, a segunda maior corretora de criptomoedas do mundo, entrou com pedido de falência nos Estados Unidos em novembro do ano passado, com dívidas de US$ 1,45 bilhão com seus 10 principais credores. "O pior já passou e houve uma recuperação expressiva porque o Bitcoin caiu muito por causa desse evento", diz Vinicius Bazan, diretor de criptoativos da Empiricus Research.
E o Índice de BDR?

BDRs são os recibos de ações estrangeiras. Com eles, por meio da Bolsa de Valores de São Paulo, é possível investir em ações de outros mercados, principalmente o americano.

A Inteligência Artificial (AI) foi responsável por essa alta. As ações de empresas de tecnologia em Nova York dispararam nestes últimos 12 meses por causa da IA. O destaque é a Nvidia (NVDC34), cujo recibo de ação quase triplicou de valor 12 meses (198%). Ela é a líder mundial em vendas de chips usados em programas de inteligência artificial, com maior capacidade de processamento para treinar esses robôs.

Por que a Bolsa patinou?

O problema foram os juros, em patamares altos. Ao contrário de outros investimentos, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e até a poupança, que ganham quando os juros estão em níveis altos, a Bolsa cai.

Continua após a publicidade

Os juros internacionais também subiram. Para conter a inflação na Europa e - principalmente - nos Estados Unidos, os bancos centrais subiram os juros. Isso atrai os investidores que, em outro cenário, viriam para o Brasil.

Além disso, a guerra na Faixa de Gaza trouxe instabilidade para o mundo todo. "A possibilidade de um agravamento de conflitos no Oriente Médio também trouxe instabilidade ao cenário financeiro", diz Bruna Sene, analista da Nova Futura Investimentos.

Isso afeta principalmente as empresas em crescimento, as Small Caps, que foram o pior investimento do período. Embora elas tenham potencial para subir acima da Bolsa, também caem mais quando há crises. Elas precisam de financiamento constantemente para crescer e, por isso, juros altos afetam o seu potencial.

Quais ações mais caíram?

  1. Sequoia Logistica (SEQL3): -89,76%
  2. Casas Bahia (BHIA3): -85,20%
  3. Infracommerce (IFCM3): -76,32%
  4. Magazine Luiza (MGLU3): -69,63%
  5. Multilaser (MLAS3): -64,95%
  6. CBA (CBAV3): -62,19%
  7. Grupo Soma (SOMA3): -61,28%
  8. Qualicorp (QUAL3): -61,14%
  9. Grupo SBF (SBFG3): -60,72%
  10. Portobello (PTBL3): -60,51%

As ações da Sequoia (SEQL3) tiveram queda de 89,76%. Em seguida vem a Casas Bahia (BHIA3), em queda de 85,20%, e a Infracommerce (IFCM3), com baixa de 76,32%. O levantamento leva em conta papéis dos índices IBRX100, IDIV, Small Caps e Ibovespa, da B3. Ou seja, não inclui a ação das Americanas (AMER3), que também despencou.

Continua após a publicidade

A Sequoia é uma empresa de logística e entregas. Novata na Bolsa, ela abriu capital em outubro de 2020. E está mal porque vem sendo arrastada para dentro da crise do varejo: se as redes de comércio estão vendendo menos, ela também entrega menos.

Com juros altos e inflação, o comércio não vende. É o que explica a queda do Grupo Casas Bahia. A varejista divulga resultados no dia 8 de novembro. Mas teve prejuízo de R$ 492 milhões no segundo trimestre de 2023. Além disso, a empresa paga juros sobre R$ 8,7 bilhões em empréstimos e financiamentos.

Essa crise também afeta a Infracommerce. A companhia oferece serviços de tecnologia e logística para empresas que atuam com e-commerce.

E as maiores altas?

  1. Plano & Plano (PLPL3): 127,29%
  2. Marcopolo (POMO4): 111,52%
  3. CSN Mineração (CMIN3): 97,51%
  4. Tenda (TEND3): 92,20%
  5. Cea Modas (CEAB3): 78,55%
  6. Metal Leve (LEVE3): 63,05%
  7. Ultrapar (UGPA3): 60,75%
  8. Valid (VLID3): 58,27%
  9. Hidrovias (HBSA3): 51,92%
  10. Petrobras (PETR4): 51,43%

Fonte: Einar Rivero

Continua após a publicidade

No primeiro lugar está a Plano & Plano (PLPL3), com valorização de 127,29%. Em segundo vem a ação da Marcopolo (POMO4), com 111,52%, seguida pela CSN Mineração, com alta de 97,51%.

O Minha Casa, Minha Vida explica a alta da Plano & Plano. A construtora, cujo maior acionista é a Cyrela (CYRE3) com 33% do capital, foca em empreendimentos mais populares e por isso vai ser muito beneficiada pelo plano de financiamento de moradia do governo federal.

A Marcopolo teve uma alta de 170,6% no lucro. Os números do terceiro trimestre foram divulgados nesta quarta-feira (1) e mostram ganhos de R$ 159,9 milhões, um crescimento bem expressivo em relação aos R$ 59,1 milhões apresentados um ano antes. A melhora veio, segundo a companhia, graças a um volume maior de vendas de produtos de maior valor agregado, e à recuperação de resultados das operações controladas no exterior.

A alta de CSN Mineração tem a ver com o preço do ferro. Os preços do minério de ferro se recuperaram ao longo deste ano.

Quais são as expectativas para novembro?

Ainda há tendência de baixa para o Ibovespa, segundo Bruna. Os gastos do governo, a alta dos juros globais, diz ela, sugerem que a melhor opção é seguir com aplicações conservadoras neste momento. "A inflação doméstica baixa e a continuidade dos cortes na taxa Selic não são motivos suficientes para justificar investimento em ações mais arriscadas", diz ela.

Continua após a publicidade

Quer saber como economizar e investir, além do que está acontecendo na economia? Conheça e siga o novo canal do UOL "Economize e Invista" no WhatsApp.

Aulão: De endividado a investidor: como sair das dívidas e ter mais dinheiro

Dívidas são um dos principais obstáculos para quem quer organizar sua vida financeira. Pensando nisso, o UOL preparou um aulão para quem quer se livrar das dívidas para sempre e ter mais dinheiro para investir e realizar seus sonhos.

Qual a melhor estratégia para se livrar das dívidas? Dá para começar a investir mesmo endividado? E qual é o melhor investimento para iniciantes? Todas essas perguntas serão respondidas em uma série de três lives.

A primeira live traz o passo a passo para se livrar das dívidas. A segunda live mostra onde e como começar a investir mesmo estando endividado, e a terceira fala sobre como investir para realizar seus sonhos, após sair das dívidas.

Assista ao aulão no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, todas as quintas-feiras, das 16h às 16h40. Assine aqui e participe!

Continua após a publicidade

A última série do Papo com Especialista foi sobre Como investir para se aposentar sem depender do INSS. Para saber mais, acesse este link .

Quer investir melhor? Receba dicas no seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido? O UOL tem uma newsletter diária gratuita que o ajuda nesse objetivo. Assine o Por Dentro da Bolsa aqui. Você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos para aprender a investir melhor.

Você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor o seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. UOL Investimentos ainda tem diversos conteúdos diários que te ajudam a lidar melhor com seu dinheiro.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes