PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Justiça sul-coreana descarta prender herdeiro da Samsung por fusão polêmica

08/06/2020 20h38

Seul, 8 Jun 2020 (AFP) - Um tribunal sul-coreano se recusou nesta segunda-feira (8) a prender o herdeiro da gigante Samsung, Lee Jae-yong, como exigia a procuradoria, por causa de uma fusão controversa de duas filiais do grupo.

Após uma audiência de nove horas, um tribunal de Seul rejeitou o pedido da procuradoria, considerando que não havia razões suficientes para a prisão, noticiou a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Vestindo terno escuro e usando uma máscara facial devido para evitar o contágio pelo coronavírus, o herdeiro do maior conglomerado da Coreia do Sul não respondeu às perguntas dos jornalistas em sua chegada ao tribunal.

O Ministério Público de Seul anunciou na quinta-feira que havia solicitado um mandado de prisão para Lee Jae-yong, suspeito de manipulação de preços durante a controversa fusão de duas unidades da Samsung - Cheil Industries e C&T - em 2015.

Alguns acionistas denunciaram esta operação, capital para a sucessão à frente do grupo, porque consideram que a C&T foi intencionalmente subvalorizada. O Fundo Nacional de Pensões, um grande acionista da Samsung sob a tutela do Ministério dos Assuntos Sociais, a apoiou.

Lee Jae-Yong, neto do fundador da Samsung, tornou-se o chefe de fato do grupo após o ataque cardíaco sofrido por seu pai em 2014.

Lee era o acionista majoritário da Cheil Industries. Os mais críticos à fusão dizem que a Samsung tentou reduzir artificialmente o preço da C&T a fim de aumentar sua participação na nova entidade nascida da fusão das duas. Isso teria lhe permitido consolidar seu controle sobre o conglomerado.

Em um comunicado, o grupo considerou as suspeitas de manipulação de preços "infundadas" e acrescentou que Lee não se envolveu em "nenhuma atividade ilegal".

Lee, vice-presidente da Samsung Electronics, também está sendo julgado novamente por corrupção no escândalo que levou à remoção e condenação da ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye.

No começo de maio, Lee Jae-yong se desculpou pelos escândalos e casos que afetaram a maior fabricante de smartphones do mundo.

O grupo foi fundado em 1938 pelo avô de Lee Jae-yong, que prometeu que seria o último na linha de sucessão familiar.

Em 2017, foi condenado a cinco anos de prisão pelo escândalo de corrupção no qual esteve envolvida Park Geun-hye. O dirigente de 51 anos foi libertado um ano depois, mas o caso está sendo julgado novamente.

O volume de negócios do grupo Samsung representa um quinto do PIB da Coreia do Sul, a 12ª economia mundial.

sh/slb/jac/ybl/erl/lda/jvb/gfe/cc/mvv

SAMSUNG ELECTRONICS