Topo

Reforma da Previdência


'Bolsonaro está apaixonado pela reforma? Claro que não, mas entende que é necessária', diz Guedes nos EUA

Divulgação
Ministro da Economia Paulo Guedes em Washington Imagem: Divulgação

Ricardo Senra - @ricksenra - Da BBC News Brasil em Washington

Da BBC News Brasil em Washington

2019-04-11T13:56:16

11/04/2019 13h56

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira em Washington que o presidente Jair Bolsonaro "não é falso", "não diz que ama a reforma da Previdência", mas "a entende como necessária".

"É de coração? Bolsonaro está apaixonado pela reforma? Claro que não", disse o ministro a uma plateia de economistas, pesquisadores e investidores no Brooking Institute, em Washington.

A proposta enviada pelo governo ao Congresso prevê idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres. O ministro também ressaltou que Bolsonaro "votou contra a reforma da Previdência várias vezes" quando era deputado federal.

"Votou contra. E quando ele foi ao Congresso (já como presidente) ele disse: 'vejam, eu me arrependo por votar contra."

"É de coração? Ele está apaixonado pela reforma? Claro que não. Ele é um homem. (Bolsonaro) tem algumas qualidades que são decisivas para a liderança: é transparente, sincero, resiliente, não tem medo de desafios e pronto para apoiar algo que ele não gostaria, mas entende como necessário."

Guedes, que participa de uma série de reuniões nos Estados Unidos até o próximo domingo, prometeu que a reforma será aprovada até julho.

"Ele (Bolsonaro) não é falso. Não diz que ama a reforma. Não. Ele brinca e diz: 'para mim, mulheres poderiam se aposentar aos 20 anos'."

Aplaudido na rua

O ministro fez uma série de comentários sobre a popularidade da reforma durante sua palestra e disse que se tornou "popular" e costuma ser "aplaudido na rua".

"Ficar popular por defender reforma da Previdência é um sinal da maturidade (da sociedade)", afirmou. "Eles entendem que poderíamos virar a Grécia ou Portugal."

Nesta quarta-feira, no entanto, o instituto Datafolha mostrou que 51% dos brasileiros são contra a reforma da Previdência nos termos propostos pelo governo.

Segundo a pesquisa, 41% são a favor, enquanto 7% não sabem e 2% são indiferentes.

Os críticos apontam que o estabelecimento de uma idade mínima para todo o país desconsidera as diferenças sócio-econômicas vistas nos Estados brasileiros.

Enquanto em Santa Catarina a expectativa de vida é de 79,4 anos, em locais Alagoas ou Maranhão, homens vivem em média 67 anos.

Thatcher e 'Chicago Boys'

"Adoraria fazer o que Ludwig Erhard fez na Alemanha, o que Margaret Thatcher (fez no Reino Unido), o que os 'Chicago Boys' fizeram no Chile", disse Paulo Guedes, defendendo reformas fiscais para o Brasil.

Durante sua fala, o ministro formado na Universidade de Chicago, conhecida pelo enfoque econômico ultraliberal, defensor do Estado mínimo e das privatizações, prometeu "reduzir e simplificar" impostos.

"O mercado é o melhor programa de inclusão que existe", disse.

"Vamos unir 4, 5 e 6 impostos diferentes em uma única taxa federal simples", prometeu. "Tudo digital."

Sobre cortes de gastos públicos, Guedes ironizou o luxo das embaixadas brasileiras no exterior - citando Washington e Roma - em relação à dívida do Estado Brasileiro. "São maravilhosas", diz. "Eu olho para estas coisas e penso: 'nós realmente podemos diminuir nossa dívida'."

"Temos mais de um trilhão em estatais. Temos mais de um trilhão em milhares de propriedades. Até a embaixada aqui, construída nos anos 1930, vale muito dinheiro", disse, antes de o embaixador Sérgio Amaral entrar no auditório.

"Quando o embaixador disse brincando que está se aposentando mas não trazendo gastos para vocês eu pensei: 'Bem, podemos vender a casa'", afirmou, gerando gargalhadas. "Estou dormindo lá, é um lugar ótimo."

Nesta quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, decidiu remover Amaral do posto, sem anunciar quem será o sucessor.

'Não tenham pena' do Brasil

Guedes ressaltou diversas vezes a "força das instituições" brasileiras e a "estabilidade da democracia" do país.

Para o ministro, "as instituições melhoraram e se aperfeiçoaram no Brasil", enquanto "o Poder Legislativo marcou sua independência" ao promover impeachments de presidentes "tanto à direita quanto à esquerda" - em referência a Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff.

As falas foram interpretadas por parte da plateia como fruto de pressão ou questionamentos que o ministro vem recebendo de investidores americanos sobre o governo Bolsonaro e a sequência de crises políticas e prisões de autoridades no Brasil - como as dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer.

"Não tenham pena de nós. Nossa democracia é muito vibrante."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=w_Jby5oodJo&t=1s

https://www.youtube.com/watch?v=D5e2rm5qlXc

https://www.youtube.com/watch?v=4xcZQ9ufxfk

Mais Reforma da Previdência