ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Prognósticos do óleo de palma se baseiam no clima da Argentina

Anuradha Raghu e Yoga Rusmana

05/03/2018 12h02

(Bloomberg) -- Quando o setor do óleo de palma se reunir em Kuala Lumpur nesta semana para uma conferência anual, estarão em foco as condições climáticas de um lugar a mais de 16.000 quilômetros de distância e a demanda no maior comprador do mundo.

O óleo de palma subiu 2,7 por cento em fevereiro, o primeiro ganho mensal desde outubro, porque a seca na Argentina elevou os preços da soja. O óleo de soja caro geralmente aumenta a demanda por óleo de palma, porque um pode substituir o outro. A margem da alta da soja, o impacto de impostos mais altos à importação na Índia e a perspectiva de uma oferta recorde também serão assuntos em foco.

Soja arrasada

A seca histórica que arrasa o cinturão de soja da Argentina provocou cortes drásticos às estimativas de produção. Os meteorologistas afirmam que o clima seco vai persistir e a Bolsa de Cereais de Buenos Aires alertou que pode haver mais reduções às previsões de oferta.

"O mercado se concentrará na extensão da perda de safra da Argentina", disse Sathia Varqa, proprietário da Palm Oil Analytics em Cingapura. A persistência do mau tempo "deve pressionar a oferta lá, o que fará com que compradores globais se voltem para os EUA, que, por sua vez, têm apoiado os futuros do óleo de soja dos EUA", disse ele.

O prêmio de óleo de soja em relação ao óleo de palma pode crescer e atingir um pico histórico de US$ 120 por tonelada neste ano, de acordo com Sunny Verghese, CEO da Olam International. O prêmio foi de cerca de US$ 88 por tonelada na sexta-feira, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Imposto indiano

O maior importador de óleo de palma elevou na semana passada os impostos à importação do óleo de palma bruto e refinado. Este é um fator bearish para os preços, já que diminuirá o desconto desta commodity em relação às rivais, como os óleos de soja e de girassol, levando os compradores a optar por alternativas, de acordo com Gnanasekar Thiagarajan, chefe de trading e de estratégias de cobertura da Kaleesuwari Intercontinental. Impostos mais altos podem restringir a demanda do óleo de palma nos próximos meses, quando os compradores normalmente reabastecem o estoque antes dos festivais, disse ele.

Oferta e políticas

A produção de óleo de palma está crescendo nos maiores produtores mundiais, elevando a oferta a um recorde. A produção da Indonésia pode subir 10 por cento neste ano, já que a redução de rendimento provocada pelo El Niño está se dissipando e a safra plantada em 2015 está amadurecendo, de acordo com Togar Sitanggang, secretário-geral da Associação Indonésia de Óleo de Palma. A chuva ligada ao La Niña poderia ajudar a aumentar a produção, disse ele. A produção da Malásia também deverá aumentar em 2018, estima a Olam.

A longo prazo, o crescimento da produção vai diminuir, de acordo com a BMI Research. Aumentam as restrições à expansão das plantações na Indonésia e na Malásia, como a falta de terras disponíveis, leis ambientais mais rigorosas e o aumento das iniciativas de sustentabilidade, afirmou.

--Com a colaboração de Eko Listiyorini

Mais Economia