PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Airbnb financia ação judicial de anfitrião contra Nova York

Olivia Zaleski

18/07/2018 13h48

(Bloomberg) -- Airbnb Inc. está intensificando sua luta contra as autoridades de Nova York, dando apoio financeiro para uma ação judicial contra a cidade.

Stanley Karol, 56, anfitrião do Airbnb no Brooklyn, processou a cidade em um tribunal federal nesta quarta-feira, acusando as autoridades de retaliação contra ele pelo fato de ter se manifestado em apoio ao aluguel de residências. A cidade impôs multas a Karol que poderiam chegar a mais de US$ 30.000 depois que ele apareceu em uma reunião do conselho, em junho, segundo a ação. O Airbnb concordou em pagar as custas do processo, disse Christopher Nulty, porta-voz da empresa.

O processo foi aberto poucas horas antes da provável aprovação de uma lei no conselho da cidade de Nova York que exige que o Airbnb e outros websites de aluguel de residências divulguem os nomes e os endereços dos anfitriões. O projeto de lei foi criado para ajudar as autoridades a tomarem medidas contra aluguéis ilegais de curto prazo. O Airbnb se opõe à medida, com o argumento de violaria a privacidade dos anfitriões que cumprem a lei.

O processo apoiado pelo Airbnb é outra reviravolta em uma guerra de quase uma década entre a empresa e Nova York. O Airbnb processou a cidade e o estado de forma direta em 2016 por uma lei que restringe sublocações de curto prazo. Ambos os casos foram resolvidos em poucos meses. A batalha ganhou força neste ano, quando o corregedor da cidade afirmou que o Airbnb custou aos nova-iorquinos US$ 616 milhões em aumentos de aluguéis e em junho o Airbnb acusou os membros do conselho municipal de estarem em mãos do setor hoteleiro.

O financiamento de litígios é uma nova ferramenta controversa do Airbnb. Thiel, um bilionário investidor em tecnologia apoiador do presidente dos EUA, Donald Trump, usou-o com grande sucesso quando financiou a ação do lutador Hulk Hogan contra o website de fofocas Gawker. Diferentemente de Thiel, o Airbnb não está tentando esconder seu envolvimento no processo contra Nova York.

Se a cidade aprovar a nova lei nesta quarta-feira, o Airbnb será obrigado a compartilhar as informações dos anfitriões com o Escritório de Execução Especial do prefeito, o mesmo órgão que Stanley Karol acusou de retaliação. Karol recebeu intimações por ter convertido o porão de sua casa em um hotel ilegal e por não cumprir as normas contra incêndios, segundo a denúncia.

"As pessoas não deveriam ter que ter medo de chegar em casa e alguém bater na porta só porque elas decidiram se manifestar contra o governo", disse Andrew Celli, advogado do escritório Emery Celli Brinckerhoff & Abady, que representa Karol no caso.