PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Cotações

Turbulência nos mercados leva ouro à máxima em seis meses

Jake Lloyd-Smith e Krystal Chia

26/12/2018 12h35

(Bloomberg) -- O ouro está se recuperando neste final de 2018 após a turbulência nas ações globais, a paralisação parcial do governo dos EUA e os receios em relação às perspectivas para o ano que vem estimularem a demanda, elevando os preços ao patamar mais alto em seis meses.

O lingote chegou a subir 0,5% nesta quarta-feira (26), ampliando o ganho da semana passada e caminhando para o maior avanço mensal desde janeiro de 2017. Os gestores de recursos registram o maior otimismo em relação aos preços em seis meses.

O metal está se beneficiando da queda forte que abalou as ações globais depois que as ações dos EUA caíram na segunda-feira (24), seguidas por perdas na Ásia no dia de Natal.

Os investidores estão se afastando do risco em meio a mais sinais de distúrbios em Washington, com diversas fontes de preocupação, como o confronto entre o presidente Donald Trump e o Federal Reserve, o impasse relativo ao orçamento e as consequências do pedido de demissão do secretário de Defesa James Mattis.

"No geral, o movimento mais recente do ouro deveria lembrar aos investidores que o ouro, em qualquer forma, deve ser uma parte essencial de toda estratégia de investimento de longo prazo, porque mais uma vez o metal amarelo provou sua importância quando os mercados se tornam turbulentos", disse Stephen Innes, chefe de negociação na região Ásia-Pacífico da Oanda.

Diante da queda dos futuros de ações dos EUA, o ouro à vista chegou a avançar para US$ 1.274,82 a onça, preço mais alto desde junho, e custava US$ 1.273,20 às 7h22, horário de Londres, de acordo com os preços genéricos da Bloomberg. O metal registra alta de 4,3% até agora neste mês, após ganhos menores em outubro e novembro.

Participações de ETFs

As participações em fundos negociados em bolsa lastreados pelo ouro aumentaram com a queda das ações, e os investidores levaram em conta as expectativas de menos aumentos nas taxas de juros dos EUA em 2019. Elas chegaram a 2.187,2 toneladas em 25 de dezembro, um aumento de mais de 100 toneladas desde meados de outubro.

"Nesta época de Natal, temos uma volatilidade enorme nas ações dos EUA e o Nikkei tecnicamente caiu em um 'bear market'", disse Xu Wenyu, da Huatai Futures. "A paralisação do governo dos EUA aumentou a lista de preocupações do mercado."

Nove dos 15 departamentos federais e dezenas de outras agências fecharam no sábado depois que Trump se recusou a assinar um projeto de lei do orçamento que não incluía dinheiro para um muro ao longo da fronteira com o México. O Congresso abandonou Washington até o dia 27 de dezembro, atrasando as negociações para acabar com a paralisação.

A prata também foi beneficiada pela busca por metais preciosos. O preço chegou a subir 0,6 por cento, para US$ 14,8575 a onça, o mais alto desde 2 de novembro. A platina e o paládio também subiram.

Cotações