PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

China acelera compras de soja dos EUA com 1 milhão de toneladas

Campo de soja pronto para a colheita em Ottumwa, Iowa (EUA) - KIA JOHNSON
Campo de soja pronto para a colheita em Ottumwa, Iowa (EUA) Imagem: KIA JOHNSON

Da Bloomberg News

12/05/2020 08h28Atualizada em 12/05/2020 13h06

A China tem aumentado as compras de soja dos Estados Unidos diante da desaceleração das vendas do Brasil e dos compromissos do país asiático previstos no acordo comercial com o governo de Washington, segundo fontes.

Clientes estatais compraram mais de 20 carregamentos — mais de 1 milhão de toneladas de soja — dos EUA nas últimas duas semanas, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Os grãos foram comprados com isenções de tarifas emitidas anteriormente.

Os principais negociadores comerciais de ambos os países se falaram por telefone na semana passada e se comprometeram a criar condições favoráveis para a implementação do acordo comercial bilateral, além de cooperar com a economia e a saúde pública, segundo comunicado do Ministério do Comércio chinês.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse posteriormente que enfrenta dificuldades com o governo de Pequim em meio à pandemia global de coronavírus.

Outro sinal de que o acordo comercial de fase 1 pode estar abalado é que o Global Times, uma publicação do Partido Comunista, informou que a China poderia anular o acordo após críticas dos EUA sobre a condução da pandemia de coronavírus pelo país, o que irritou representantes de comércio.

Também foi apresentada uma sugestão para negociar um novo acordo que inclinaria a balança mais para o lado chinês, segundo o jornal.

A China prometeu comprar US$ 36,5 bilhões em produtos agrícolas dos EUA — o que dá mais de R$ 210 bilhões —, mas a pandemia atrasou o ritmo das compras. Embora o país tenha comprado uma ampla variedade de commodities, como sorgo, trigo, milho e carne de porco, as vendas de soja, principal bandeira da guerra comercial, começaram a ser aceleradas.

A maioria das compras nas últimas duas semanas era destinada a carregamentos em portos do Golfo do México. Mesmo algumas sendo de remessas da safra atual, outras destinavam-se ao final do outono, quando a nova colheita nos EUA começa. O departamento aduaneiro chinês não respondeu a ligações com pedidos de comentário.

A gigante agrícola Archer-Daniels-Midland disse neste mês que estava animada com as compras da China até agora. A empresa com sede em Chicago espera que o país asiático compre entre 30 milhões e 35 milhões de toneladas de soja dos EUA neste ano, disse o diretor financeiro Ray Young em teleconferência com analistas em 30 de abril.

Economia